NÃO DESPERDICE O SOFRIMENTO

NÃO DESPERDICE O SOFRIMENTO

O Novo Testamento nos ensina sobre os sofrimentos de Jesus. Ao estudar Sua vida se percebe claramente que ele passou por angústias, pressões psicológicas e maus tratos físicos. Jesus foi mal interpretado, criticado, debochado, zombado e por fim torturado na cruz.

Se o Mestre sofreu, o seus seguidores também o serão. Esse princípio é ensinado em 1 Pedro 4.1: “Portanto, uma vez que Cristo sofreu corporalmente, armem-se também do mesmo pensamento…” O Em Hebreus 12.3 o autor da carta afirma o seguinte:“ Pensem bem Naquele (Jesus) que suportou tal oposição dos pecadores contra si mesmo, para que vocês não se cansem nem se desanimem.”

Em Romanos 8, Paulo estabelece as bênçãos incontáveis para aqueles que estão em Cristo. Os que estão em Cristo são herdeiros futuros de Deus, não obstante os sofrimentos se façam presente no dia a dia. Ele diz em Romanos 8.17: 17 “Se somos filhos, então somos herdeiros; herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo, se de fato participamos dos seus sofrimentos, para que também participemos da sua glória.”

A verdade simples é que Deus tem propósitos nos sofrimentos. Em Romanos 8.28 Paulo enuncia: ”Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam, dos que foram chamados de acordo com o seu propósito.” Para alguns, o propósito é aproximá-los dEle. Para os que seguem a Jesus, o propósito final é formar mais de Jesus e Seu caráter em suas vidas.

Deus está agindo soberanamente nas pessoas. Ele sabe destruir e construir coisas em nossas vidas. Ele por vezes precisa demolir nossos ídolos e tudo aquilo que apoiamos nossa confiança e segurança que não seja nEle. Deus é especialista em demover “palifitas” e “casabres” espirituais para iniciar grandes palácios. E claro, quando Ele inicia o desmoronamento a dor aparece e o suposto conforto, prazer e felicidade é abalado. Contudo, isso não significa que Ele não ama e não cuida, antes Ele está destruindo em nós o que nos prejudica e alimenta o egoísmo, o orgulho e a vaidade enquanto ergue em nós um edifício espiritual novo onde o centro de tudo seja o retorno a nossa verdadeira humanidade: viver para Sua hona e glória.

A questão não é SE você passará por sofrimento mas QUANDO passará por ele. E acredite, Deus usa esses momentos escuros e estressantes para fazer um profunda faxina espiritual para seu próprio bem.

Deus usa os dias de tristeza para acender em nossos corações Suas verdades, purificar nossas almas e nos trazer discernimento sobre o que é essencial.

Por isso, não desperdice o sofrimento!

FALANDO A VERDADE

FALANDO A VERDADE

Pesquisas revelam que 20% das pessoas mentiriam para ganhar mais dinheiro; 25% mentiriam para poder manter a aparência; 30% mentiriam no preenchimento do formulário de emprego para ocupar um espaço no mercado de trabalho; 46% conhecem um amigo(a) que já enganou e mentiu para o cônjuge; 51% disseram que as pessoas não são hoje mais honestas do que eram há dez anos; 60% disseram que mentiriam para se livrar de uma situação de embaraçosa.

Outra pesquisa faz a seguinte pergunta: para quem você mentiu regularmente? 86% disseram – para os pais; 75% para os amigos, 61% para os patrões; 59% para os filhos; 73% para irmãos e irmãs e 69% para os cônjuges.

A Bíblia diz 1 Coríntios 13.4 que “o amor se alegra com a verdade.” Em Efésios 4:15, Paulo diz: “Mas, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo.” Esses textos nos ensina que devemos falar amorosamente a verdade sobre tudo – falando a verdade, tratando com a verdade e vivendo em verdade. Relacionamentos estáveis são mantidos com base na verdade e honestidade.

São muitos que fazem da desonestidade seu lema de vida e estão colhendo tragédias em sua vidas e seus relacionamentos. É certo que nenhum casamento, nenhuma família, nenhuma empresa, nenhum governo e nenhuma sociedade pode lidar com desonestidade sem entrar em falência. Todas as excelentes relações são construídas com base na confiança. Construir confiança vem por falar a verdade. Confiança e verdade andam juntas. Portanto, pessoas que não são confiáveis são destruídas pela sua própria desonestidade.

Relacionamentos saudáveis desenvolvem com base na verdade. O sábio disse em Provérbios 10.10: “Quem esconde a verdade causa problemas.” Que tipo de problemas? Amargura, ressentimento, desconfiança, dúvidas etc.

A conseqüência mais grave do esconder a verdade é a superficialidade nos relacionamentos. Você não pode ser íntimo de uma pessoa escondendo dela a verdade. E por que escondemos a verdade? Porque somos covardes. Queremos evitar conflitos. Dizemos para nós mesmos: “Se eu disser a verdade às coisas vão piorar.” O mundo em que vivemos quer apenas manter a paz a qualquer custo e por isso faz uso da mentira. Quem não valoriza relacionamentos com certeza não considerará a verdade. A verdade é uma aliada para quem considera o cônjuge, os filhos, os parentes e os amigos.

A verdade precisa ser praticada. Quando ela é dita com amor, pode até doer, mas é benéfica. Por isso, valorize seus relacionamentos. Viva e fale a verdade a bem de seu relacionamento com Deus e com as pessoas.

CONHECER A DEUS

CONHECER A DEUS

O personagem principal da Bíblia é Deus. A Bíblia começa com Deus. A primeira afirmação dela não questiona a realidade de Sua existência, mas afirma Sua presença, pró-atividade, sabedoria, poder, propósito e indizível grandeza. Gênesis 1.1 lemos: “No princípio criou Deus os céus e a terra”.

A ciência com suas descobertas maravilhosas ajuda-nos a entender um pouco da grandeza de Deus. Por exemplo, nosso sol é um dos 100 bilhões de estrelas em nossa galáxia, a “Via Láctea”. Acredita-se que haja cerca de 100 bilhões de galáxias. Nossa galáxia tem a largura de aproximadamente 100 mil anos luz. Um ano luz mede cerca de 9 trilhões de quilômetros. A distância média entre galáxias vizinhas é de 10 milhões de anos luz. Essas informações sobre realidade do universo nos faz enxergamos a magnitude do poder de Deus revelado só na criação.

Deus se auto revelou através da Sua Palavra. Nela aprendemos tudo o que precisamos saber sobre Ele. A Bíblia é enfática que Ele é real, tem todo o poder, conhece todas as coisas e está em todos os lugares ao mesmo tempo. No Salmo 139.1-6 Davi exclama essas verdades sobre Ele ao dizer: “ Senhor, tu me sondas e me CONHECES. SABES quando me sento e quando me levanto; de longe PERCEBES os meus pensamentos. SABES muito bem quando trabalho e quando descanso; todos os meus caminhos são bem CONHECIDOS por ti. Antes mesmo que a palavra me chegue à língua, tu já a CONHECES inteiramente, Senhor. Tu me cercas, por trás e pela frente, e pões a tua mão sobre mim. Tal CONHECIMENTO é maravilhoso demais e está além do meu alcance; é tão elevado que não posso atingir.”

Paulo em Romanos 11.33 afirma: “Ó profundidade da riqueza, tanto da sabedoria, como do conhecimento de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos e quão inescrutáveis os seus caminhos!”

O mais alto privilégio que um ser humano pode ter em todos os dias de sua vida é poder conhecer e experimentar Deus em sua vida. Jesus afirmou em João 17.3: “E a vida eterna é esta: que te conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.”

Assim, convido você para a maior e melhor de todas as buscas intelectuais: CONHECER A DEUS! Uma leitura cuidadosa da Bíblia levará você a mais fascinante de todas as descobertas. Enquanto você O busca entender com um coração puro e sem preconceito, a promessa de Jeremias 29.13 será cumprida em sua vida: “ Vocês me procurarão e me acharão quando me procurarem de todo o coração.”

OS ÚLTIMOS DIAS

OS ÚLTIMOS DIAS

Na Bíblia a expressão “últimos dias” refere-se a um período de depravação moral e espiritual dos homens, que culminará com a manifestação final justiça de Deus contra o pecado e o retorno pessoal e visível de Jesus em glória para estabelecer nessa terra o reino universal e mundial conforme profetizado pelos profetas do Antigo Testamento e pelo próprio Senhor Jesus.

Segundo as profecias dadas por Jesus em Mateus 24, Marcos 13 e Lucas 21 os “últimos dias” seriam marcados pelo gradual desenvolvimento do engano espiritual, da falsidade, do aumento de guerras, e conflitos entre as nações, terremotos em vários lugares, o crescimento da fome, aliado a uma perseguição conceitual, psicológica e física aos seguidores de Jesus. O evento profético que dará visibilidade a esses “últimos dias” será o arrebatamento da igreja profetizado em 1 Tessalonicenses 4.11-17.

Paulo ensinou sobre os “últimos dias” em 2 Timóteo 3.1-5. Ele profetizou a postura dos homens dizendo o seguinte: “Saiba disto: nos últimos dias sobrevirão tempos terríveis. Os homens serão egoístas, avarentos, presunçosos, arrogantes, blasfemos, desobedientes aos pais, ingratos, ímpios, sem amor pela família, irreconciliáveis, caluniadores, sem domínio próprio, cruéis, inimigos do bem, traidores, precipitados, soberbos, mais amantes dos prazeres do que amigos de Deus, tendo aparência de piedade, mas negando o seu poder. Afaste-se também destes.”

Paulo vai adiante dizendo que os “últimos dias” também seriam marcado por uma grande apostasia, ou seja, pessoas se afastariam da verdade de Deus. Ele diz em 1 Timóteo 4.1: “O Espírito diz claramente que nos últimos tempos alguns abandonarão a fé e seguirão espíritos enganadores e doutrinas de demônios.” Pedro profetizou sobre os “últimos dias” em relação a disposição do homem em zombar das coisas de Deus e viver uma vida moral desenfreada. Ele afirma 2 Pedro 3.3: “Antes de tudo saibam que, nos últimos dias, surgirão escarnecedores zombando e seguindo suas próprias paixões.”

Os “últimos dias” são evidentes. Desde o início do século XX até o presente momento em que estamos vivendo no século XXI, muito dessa realidade espiritual profetizada tem sido percebida de forma real e clara, de alguma forma podemos afirmar que estamos vivendo como nunca os “últimos dias”.

Jesus ao iniciar seu ministério, estando a nação de Israel longe de Deus, profere Suas primeiras palavras dizendo: “Arrependam-se, pois o Reino dos céus está próximo” – (Mateus 4.17).

“Arrependam-se!” Ou seja, coloque toda sua esperança somente em Jesus e esteja ciente de que esse mundo só vai de mal a pior.

O PODER DA INFLUÊNCIA

O PODER DA INFLUÊNCIA

Jesus afirmou em Mateus 5.13:“Vós sois o sal da terra; ora, se o sal vier a ser insípido, como lhe restaurar o sabor? Para nada mais presta senão para, lançado fora, ser pisado pelos homens.”

O sal é algo perceptível. Sua função básica é dar sabor, proteger e purificar. Na época de Jesus o “sal” vinha principalmente do Mar Morto. Não havia refinarias e sua ação seria comprometida caso fosse misturado com outros elementos impuros.

Nesse texto Jesus usa a metáfora do sal para ensinar o PODER DA INFLUÊNCIA. Os discípulos de Jesus são “sal da terra”, ou seja, eles fazem a diferença nesse mundo. Eles são chamados a influenciar. O pecado contaminou o mundo. Os valores, padrões, conceitos, interesses, a moral, a postura e os princípios do mundo são diferentes do Deus que estabelece em Sua Palavra.

O discípulo de Jesus deve manter sempre uma linha clara entre o “certo” e o errado”. Ele precisa também considerar  “feliz com Jesus” e não andar em busca de um “pacote de felicidade” que o mundo apresenta.

O discípulo de Jesus não faz concessões porque ele não pertence mais ao sistema do mundo. Ele anda na contra mão da história. Ele vive numa “contra cultura”. O poder de sua influência apenas é percepida quando ele assume publicamente viver igual a Jesus e não no padrão do mundo.

Assim, se você se é um seguidor de Jesus, o seu “sal” precisa salgar. Você precisa assumir a postura de influenciar onde está e por onde vive. Jesus não veio para estabelecer uma religião, mas um estilo de vida, ou seja, pessoas que se dispõe voluntariamente a ama-lo, servi-Lo, obedece-Lo, viver Seus ensinos e imitar Sua vida.

O mundo não precisa de mais filosofias e religiões; já existem muitas. O mundo busca mesmo uma direção que possa seguir com segurança . O mundo está sedento de algo coerente, sério, íntegro e que dá para entender. O mundo deseja algo que resolva os conflitos internos de sua alma, traga soluções práticas para o dia a dia, e faça com que a vida realce cada manhã. O mundo busca uma resposta. E a resposta é JESUS. Ele diz em João 14.6: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida, ninguém vem ao Pai, senão por Mim” . Mas o mundo precisa de alguém que ensine sobre Jesus e que O viva.

Por isso, assuma ser “sal da terra”. Use o poder de sua influência.

LIDANDO COM OS ZOMBADORES ESPIRITUAIS

LIDANDO COM OS ZOMBADORES ESPIRITUAIS

Jesus disse em Mateus 7.6: “Não deis aos cães o que é santo, nem lanceis ante os porcos as vossas pérolas, para que não as pisem com os pés e, voltando-se, vos dilacerem.”

Esse é um texto chocante. Pessoas são comparadas a “cães” e a “porcos”. A pergunta básica olhando para esse texto é: quem são os “cães” e os “porcos”?

“Cães” e “porcos” eram animais na época de Jesus associados com hábitos sujos. Os “cães” que não eram os bem comportados cachorrinhos de colo de nossos dias, antes eram cães selvagens e que fuçavam no lixo da cidade. Os “porcos” sempre foram animais imundos e impuros para os judeus.

“Cães” e “porcos” é uma ilustração dada por Jesus a pessoas cuja a incredulidade as coisas de Deus se mostra de uma forma forte e agressiva. Essas pessoas tratam as verdades espirituais com desprezo, zombaria e crítica. A esses Jesus diz claramente: “Não lhes deis o que é santo e precioso”.

Um judeu jamais daria alimento “santo” a cães, ou seja, aquele alimento que fora a oferecido como sacrifício no altar. Um judeu jamais sonharia em jogar valiosas pérolas aos porcos. Isso porque os porcos provavelmente confundiriam as pérolas com nozes ou ervilhas e tentariam come-las, e ao descobrir que não eram comestíveis, iriam pisotea-las e até mesmo poderiam atacar o doador.

O que Jesus ensina nesse texto é que as verdades de Deus são “santas” como uma “pérola de grande valor.” (Mateus 13.46). O Evangelho de Jesus, a salvação que Ele oferece, e o relacionamento com Deus são a prioridade das prioridades. Se alguém a rejeita, questiona e ridiculariza condena-se a si mesmo e ao mesmo tempo se torna indigno de continuar ouvindo as preciosas verdades.

Jesus ensina que você não deve continuar expondo as verdades de Deus para com os que não querem ouvir ou crer. Não discuta com eles, apenas não lhes dê informoções espirituais visto que eles não as querem. Por um outro lado elas são preciosas demais para serem desprezadas. Apenas ore por eles!

Contudo, se você é um dos zombadores e sarcásticos das verdades de Deus, meu apelo e que você se arrependa de sua incredulidade e creia em Jesus como Senhor e Salvador. Caso não queira, “toque sua vida”. Lembre-se que ninguém tem obrigação de aceitar suas críticas e incredulidades e ao mesmo ninguém também é obrigado a repassar para você qualquer verdade espiritual. Infelizmente você é um intratável espiritualmente.

AS DUAS PORTAS

AS DUAS PORTAS

Jesus fez um apelo a uma decisão em Mateus 7.13,14: “Entrai pela porta estreita (larga é a porta, e espaçoso, o caminho que conduz para a perdição, e são muitos os que entram por ela), porque estreita é a porta, e apertado, o caminho que conduz para a vida, e são poucos os que acertam com ela.”

Nesse texto Jesus está por concluir o Sermão do Monte. E antes de finaliza-lo Ele exige que seus ouvintes (e leitores) tomem uma decisão. E Jesus no texto apresenta a decisão através da metáfora das “duas portas”.

A primeira porta é a “porta estreita.” Ele diz que “estreita é a porta, e apertado, o caminho que conduz para a vida…” Essa é definida por um caminho difícil, cheio de limites demarcados por Deus segundo Sua Palavra. Essa porta conduz a um caminho onde há um “jugo suave” e um “fardo leve”; onde há lutas e provações; onde os pensamentos e vontades são centrados em Deus. Essa é a porta que conduz a vida hoje e na eternidade. E a constatação de Jesus é que “…são poucos os que acertam com ela.”

A segunda porta é apresentada como “porta larga”. Essa é porta é a “…do caminho que conduz para a perdição.” Essa é a porta do caminho fácil e confortável. É a porta da imoralidade, da permissividade, da vida sem freios no pensamento e na conduta. É a porta onde o foco são os desejos e as inclinações naturais. Essa também é a porta da superficialidade, do egoísmo, da hipocrisia, da ambicão, da religião ritualista que deixa tudo, permite tudo,onde nada é exigido. Essa á porta que conduz a perdição. E a triste constatação de Jesus é que é “…são muitos os que entram por ela.”

Ninguém está neutro nessa decisão. Decidir pela ”porta larga” é escolher pelo pecado, pela justiça própria, pelo orgulho e pela religiosidade vazia. Decidir pela “porta estreita” é escolher pelo arrependimento da ambição egoísta, da cobiça, de si mesmo, da auto-imagem e todo pensamento, comportamento, desejos e vontades que não honram e nem agradam a Deus.

Assim, Jesus ordena que você tome a decisão certa: “Entrai pela porta estreita…” Ele quer que você mude de vida! Ele sabe que “estreita é a porta, e apertado, o caminho…” Mas Ele também quer que você saiba que esta porta é a “…que conduz para a vida…” A vida que você está procurando e de alguma forma na “porta larga”.

D.L. Moody declarou: “Eu acredito do fundo de minha alma, que há mais gente neste dia se perdendo por falta de uma decisão espiritual do que por qualquer outra coisa.”

Decida pela “porta estreita”!