TRATANDO A PREOCUPAÇÃO

TRATANDO A PREOCUPAÇÃO

Vivemos um tempo sério de violência, pressa, competição e medo. Diariamente nos preocupamos com dinheiro, emprego, saúde, segurança e dimensionamos o futuro em seus detalhes.

O certo é que a preocupação tem impactos na vida. Por exemplo, o corpo sente: o coração acelera, mãos umidessem, unhas são roídas, a boca seca, perde-se o apetite e a insônia chega. Os relacionamentos também sentem porque para muitos é difícil lidar com alguém que vive habitualmente preocupado. O bolso também sofre, porque o próximo passo de uma pessoa preocupada é usar calmantes: Lexotan, Diazepam, Lorax, Rivotril e outros.

A preocupação é um alarde na alma. Pessoas preocupadas dimensionam as necessidades da vida. A preocupação é um problema sério! E o que a Bíblia tem a dizer sobre ela?

Em Mateus 6.25, num longo discurso, Jesus ensina o seguinte sobre a preocupação: “Portanto eu lhes digo: não se preocupem com suas próprias vidas, quanto ao que comer ou beber; nem com seus próprios corpos, quanto ao que vestir. Não é a vida mais importante do que a comida, e o corpo mais importante do que a roupa? Observem as aves do céu: não semeiam, nem colhem, nem armazenam em celeiros; contudo, o Pai celestial as alimenta. Não têm vocês muito mais valor do que elas? Quem de vocês, por mais que se preocupe, pode acrescentar uma hora que seja à sua vida? “Por que vocês se preocupam com roupas? Vejam como crescem os lírios do campo. Eles não trabalham nem tecem. Contudo, eu lhes digo que nem Salomão, em todo o seu esplendor, vestiu-se como um deles. Se Deus veste assim a erva do campo, que hoje existe e amanhã é lançada ao fogo, não vestirá muito mais a vocês, homens de pequena fé? Portanto, não se preocupem, dizendo: ‘Que vamos comer? ’ ou ‘que vamos beber? ’ ou ‘que vamos vestir? ’ Pois os pagãos é que correm atrás dessas coisas; mas o Pai celestial sabe que vocês precisam delas. Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas lhes serão acrescentadas.”

Para Jesus, a preocupação com os detalhes da vida demonstra a realidade da fé em Deus. Pessoas que vivem tentando controlar desde os detalhes simples da vida, como comida, roupa, bebidas etc, até os grandes, na verdade estão desalinhados da fé no Soberano Deus, Criador de todas as coisas; Aquele que sustenta tudo e todos.

Para Jesus, a preocupação nubla o discernimento espiritual e revela o principal problema: a incredulidade. A preocupação é pecado porque lança diretamente dúvida quanto ao cuidado, amor e providência de Deus. A preocupação diz que Deus não se interessa e é inerte. A preocupação é pecado!

Jesus oferece a solução definitiva para a preocupação. Toda tentativa de lidar sem Jesus na preocupação será apenas um meio de esconder o problema real. Por isso, entregue a Ele sua preocupação.

A VAIDADE

A VAIDADE

 Conta-se a história de que quando o navio Titanic estava afundando, entre os mortos estava Benjamin Guggenheim, de smoking e cartola. Ele se aprontou para afundar como verdadeiro gentleman. Pura vaidade!

 A vaidade é um problema social. Ela está estampada na política, no esporte, na cultura, nos filmes, nos jornais, no trabalho, na internet, nas ruas etc. Ela pode ser vista na forma como alguém age ou fala. Verdadeiras loucuras são feitas para manter a aparência ou fingir.

A vaidade tem sua raiz no orgulho. Ela é um dos ingredientes que expressa o lado mal e pecaminoso de cada ser humano. A vaidade se gloria do berço nobre, do sobrenome famoso, da profissão, da beleza corporal, da linha religiosa, do status social, das conquistas, das oportunidades, dos prazeres, dos bens, dos recursos etc.

 Salomão afirmou em Eclesiastes 1.2: “Vaidade de vaidades, diz o Pregador; vaidade de vaidades, tudo é vaidade.” O termo hebraico usada para “vaidade” significa literalmente “vapor”, “vazio”, “inútilidade”, “nada”.

Salomão usa esse o termo “vaidade” para demonstrar que a vida sem Deus é como “correr atrás do vento”, ou seja, sem sentido. Para Salomão, todo o trabalho, riqueza, e experiências variadas nada podem acrescentar significado à vida.

O que Salomão afirma em Eclesiastes é que qualquer ser humano que intenta buscar sentido a vida à parte de Deus, viverá de forma inútil; a vida será vazia e sem significado. Não há sentido para vida sem a revelação e intervenção de Deus. Como alguém sabiamente afirmou: “Sem Deus, a vida, em sua qualidade, é ‘vazia’ e em sua quantidade é ‘transitória”.

 O mais triste da vaidade humana é quando ela acalenta os conceitos da auto-confiança. É quando ela insiste em pensar que conseguiu definir as verdades da vida separado de Deus. A isso a Palavra de Deus traz o próprio veredito: “Vaidade de vaidades”.

Jesus veio ao mundo para propiciar a verdadeira vida; Ele veio para dar sentido a ela; Ele veio para deflagrar as vaidades. Jesus foi contundente ao dizer em Lucas 16.15: “…Aquilo que tem muito valor entre os homens é detestável aos olhos de Deus”.

Os Evangelhos (Mateus, Marcos, Lucas e João) estão repletos de histórias de pessoas que abandonaram a vaidade de suas vidas para seguir a Jesus. Um bom exemplo é Zaqueu em Lucas 19. Zaqueu abandona a vaidade das riquezas ilícitas, do sistema de corrupção e do glamour social e diz a Jesus no versículo 8: “…Olha, Senhor! Estou dando a metade dos meus bens aos pobres; e se de alguém extorqui alguma coisa, devolverei quatro vezes mais”. E Jesus responde no versículo 9: “Hoje houve salvação nesta casa.”

Zaqueu nos ensina que: se a vaidade é nosso problema, o humilde Jesus é a nossa única solução.

O ADULTÉRIO

O ADULTÉRIO

Pesquisas apontam que 57% dos homens e 54% das mulheres admitem ter cometido infidelidade conjugal; ter adulterado. Uma outra pesquisa afirma que 74% dos homens e 68 % das mulheres teriam um caso se soubessem que nunca seriam pegos.

Em Êxodo 20.14 Deus ordena claramente: “Não adulterarás.” Adultério é pecado! Adultério é a relação sexual ilícita entre pessoas casadas ou não. O adultério destrói a primeira instituição divina: o casamento.

Segundo Jesus em Mateus 5.28 o adultério começa no coração: “…Qualquer que olhar para uma mulher para desejá-la, já cometeu adultério com ela no seu coração.” Ele também afirmou em Mateus 15.19: “Porque do coração procedem as más intenções, assassinato, adultério…” Assim, o adultério é mais que o ato físico. Ele ocorre na mente e pode ser alimentado por pensamentos lascivos, revistas, filmes, sites pornográficos etc.

O adultério é um pecado direto contra o cônjuge e contra Deus. Ele é um ataque a santidade do casamento. Deus providenciou graciosamente que os desejos sexuais de homens e mulheres devem ser preenchidos apenas no casamento, e se engajar em sexo pré-marital ou extra-marital, antes ou fora do casamento é pecado aos Seus olhos. E é importante saber que Ele lida com muita seriedade com os adúlteros. Em Hebreus 13.4 lemos: “ O casamento deve ser honrado por todos; o leito conjugal, conservado puro; pois Deus julgará os imorais e os adúlteros.”

Devido a nossa pecaminosidade é importante lembrar que ninguém está imune ao adultério. A única forma de livrar-nos de qualquer pecado moral é: 1) Purificar diariamente o coração diante de Deus. Se permitirmos que o pecado alongue em nossas mentes em breve ele obterá raízes profundas. 2) Pedindo por Seu auxílio. É preciso orar: “Senhor, ajuda-me, livra-me e guarda-me. 3) Fugir de todas as situações tentadoras. José não adulterou porque fugiu (Gênesis 39.9). Davi adulterou porque não fugiu (2 Samuel 11).

Por sua bendita graça, Deus perdoa qualquer pecado, dentre eles o pecado de adultério. Davi quando confrontado pelo profeta Natã percebeu o quanto havia pecado contra Deus. Ele se arrependeu, pediu perdão e foi perdoado. O Salmo 51 é o relato de seu profundo arrependimento.

Hoje e agora, o mesmo Deus oferece o mesmo perdão. Jesus morreu na cruz e pagou o preço por todo o pecado, dentre eles o de adultério. Nenhum pecado é grande que não possa ser perdoado por Deus.

Quando se coloca a fé em nEle, confessando e arrependendo-se do pecado, Deus perdoa, tira a culpa, a vergonha, e renova a vida e o futuro.

Só em Cristo há esperança para todos os pecados. Só em Cristo há esperança para o pecador. Só em Cristo!

A SALVAÇÃO É PELA GRAÇA

A SALVAÇÃO É PELA GRAÇA

Paulo afirmou em Efésios 2.8-9: “Pois vocês são salvos pela graça, por meio da fé, e isto não vem de vocês, é dom de Deus; não por obras, para que ninguém se glorie.

 “Graça” significa “favor divino não merecido” “Graça é a bondosa disposição de Deus em perdoar perdoar pecadores arrependidos.”

A salvação não é uma conquista ou fruto do esforço humano; ela é um presente de Deus. Ninguém a obtém por mérito, mas a recebe pela graça de Deus. Hernandes Dias Lopes afirmou: “A salvação não é um troféu que erguemos como fruto do nosso labor, nem uma medalha de honra ao mérito, é um presente imerecido.”

A graça de Deus alcança apenas pecadores que se arrependem de seus pecados. Paulo reconheceu essa verdade em sua própria vida ao dizer em 1 Timóteo 1.12-14: “Dou graças a Cristo Jesus, nosso Senhor, que me deu forças e me considerou fiel, designando-me para o ministério, a mim que anteriormente fui blasfemo, perseguidor e insolente; mas alcancei misericórdia, porque o fiz por ignorância e na minha incredulidade; contudo, a graça de nosso Senhor transbordou sobre mim, juntamente com a fé e o amor que estão em Cristo Jesus.”

Assim, a salvação não é por mérito; não é pelas obras. Ninguém será salvo por realizar algo de bom; fazer o bem; ser caridoso. A única obra que Deus aceita é aquela foi feita por Jesus, Seu Filho amado na cruz do Calvário. Foi ali, que Ele pagou com seu sangue o preço da salvação. Paulo afirma essa verdade em Efésios 2.13: “Mas agora, em Cristo Jesus, vocês, que antes estavam longe, foram aproximados mediante o sangue de Cristo.”

Mas alguém poderia dizer: “Bem, nessa lógica, o indivíduo pode ‘pintar e bordar’, pecar à vontade, e quando for velho ele se arrepende de seus pecados e assim entrará nos céus, e ficará ‘de boa’ porque a graça o alcançou.”

 Essa é uma maneira simplória e ingênua de pensar. Primeiro, que na Bíblia ninguém se arrependerá de seus pecados por si só. Arrependimento verdadeiro é uma profunda convicção de pecado diante de Deus promovido pelo próprio Espírito Santo (João 16.8). Segundo, porque é muita presunção alguém achar que pode controlar a vida, a velhice e a morte. Terceiro é argumento apenas usado para quem insiste em manter-se no engano de que as obras e atos caridosos podem promover a expiacão de pecados diante de Deus, e assim não aceita a graça de Deus.

Pode doer nos seus ouvidos, mas a salvação eterna é pela graça! É preciso lembrar a verdade do ensino de Paulo Efésios 1.7: “Nele (Jesus Cristo) temos a redenção por meio de seu sangue, o perdão dos pecados, de acordo com as riquezas da graça de Deus.”

 A salvação é pela graça! A salvação é somente pela graça de Deus em Jesus Cristo!

MATURIDADE ESPIRITUAL

MATURIDADE ESPIRITUAL

Sabemos por experiência que um diagnóstico médico sobre uma determinada doença e uma conversa do médico sobre a doença com o paciente não fará que o mal da doença, desapareça. Toda doença precisa de tratamento. O diagnóstico da doença deve conduzir o médico a uma ação adequada. Assim também, ninguém se tornará uma pessoa madura espiritualmente, simplesmente porque sabe o que deve fazer, ou ainda porque está exposta as verdades de Deus. Maturidade espiritual é um resultado direto em aplicar as verdades de Deus em todas as áreas da vida.

Deus não quer que os que nasceram pela fé em Cristo Jesus se tornem eternamente crianças espirituais; que vivam de “leite espiritual” para o resto de sua vida. Deus quer que eles sejam maduros. Em Hebreus 5.12-14 lemos: “Pois, com efeito, quando devíeis ser mestres, aten­dendo ao tempo decorrido, tendes, novamente, ne­cessidade de alguém que vos ensine, de novo, quais são os princípios elementares dos oráculos de Deus; assim, vos tornastes como necessitados de leite, e não de alimento sólido. Ora, todo aquele que se alimen­ta de leite é inexperiente na palavra da justiça, por­que é criança. Mas o alimento sólido é para os adul­tos, para aqueles que, pela prática, têm as suas fa­culdades exercitadas para discernir não somente o bem, mas também o mal.” O problema desses cristãos hebreus não é que eles não ouviram a verdade. O problema é que eles não a obedeceram. Ouvir, aprender e não obedecer e aplicar, é igual a “zero” na vida espiritual.

A prática da Palavra é o verdadeiro sinal de maturidade espiritual. Há muitos que fazem algo excelente, por exemplo chegam a igreja, enchem seus cadernos de notas, participam de conferências e mais conferências, cursos e mais cursos, mas o problema é que eles não praticam o que ouvem. Elas continuam ainda tendo problema com a fofoca, são pessoas mal humoradas, irresponsáveis, difíceis no trato etc. E por que agem assim? Porque eles não entenderam que o mais importante para Deus não é conhecimento, é a pratica da Palavra de Deus. A pessoa madura é aquela que pratica o que ouve. Estar exposto ao ensino bíblico não resolve o problema. A maturidade espiritual vem quando se ouve, absorve e pratica a Palavra de Deus.

Por outro lado, é preciso estar ciente de que a maturidade espiritual não é algo instantâneo. Não há fórmula que produza cristãos maduros da noite para o dia.

Sempre que você estiver exposto ao ensino da Palavra de Deus, pergunte a si mesmo: “como posso praticar essa verdade ensinada em minha vida?”

Lembre-se das palavras de Leonard Ravenhill: “ Maturidade espiritual vem da obediência, e não necessariamente da idade.”