O ERRO DE AGRADAR AS PESSOAS

O ERRO DE AGRADAR AS PESSOAS

Viver agradando pessoas é um perigo. Provérbios 29.25 nos alerta: “Quem teme ao homem cai em armadilhas…”

Há pessoas que são mentalmente escravas da aprovação dos outros. Se elas não são aprovadas, elas se amarguram; elas se preocupam demais com os que os outros pensam dela. O certo é que se você centrar sua vida tentando descobrir o que o outro quer que você seja, em breve você se tornará o que o outro quer.

Viver preocupado com que os outros pensam é algo muito profundo; é algo espiritualmente sério: é uma idolatria. Devemos nessa vida apenas agradar a Deus. Quando lemos em Êxodo 20.3 a ordem de Deus: “Não terás outros deuses além de mim”, isso significa que qualquer coisa que você coloca acima de Deus se torna um ídolo. A profissão, os bens, um relacionamento, um esporte, desejos etc, podem se tornar um ídolo em sua vida; a lista é grande. E assim, quando você permiti que as opiniões e o pensamento das pessoas se tornem algo prioritário em sua vida, mais do que a opinião e a vontade de Deus, isso lhe transforma num idólatra. E qualquer coisa que tira o seu coração de Deus é um ídolo. E a idolatria é pecado!

Um exemplo. Do ponto de vista espiritual quando você esconde das pessoas suas decisões espirituais, ou seja, você não quer que elas saibam sobre sua fé em Jesus, sobre sua ida a igreja, sobre sua leitura da Bíblia etc, simplesmente porque ao saber disso, você crê que elas podem deixar de lhe amar, ou até mesmo lhe criticar, nesse exato momento agradar pessoas tornou-se mais importante do que agradar a Deus, e isso é idolatria. E para essas questões espirituais, Paulo afirmou categoricamente o seguinte em Gálatas 1.10: “Acaso busco eu agora a aprovação dos homens ou a de Deus? Ou estou tentando agradar a homens? Se eu ainda estivesse procurando agradar a homens, não seria servo de Cristo.”

Você até poderia dizer: “Muito bem…é isso que eu precisava ouvir… vou parar de agradar as pessoas e começar agradar e pensar mais em mim mesmo.” Errado! Não agradar as pessoas não significa que você deva centrar em si mesmo. Jesus disse o seguinte em João 5.30: “…não procuro agradar a mim mesmo, mas àquele que me enviou”. O alvo final da vida não é agradar pessoas, agradar a você, mas agradar a Deus.

Lembre-se: Você não pode agradar a todos. Na verdade não há necessidade de agradar a todos. Quem agrada a todos arruinará a vida, e por isso pare de agradar a todos e agrade apenas a Deus. Liberte-se desse vício da aprovação das pessoas.

Se você creu em Jesus como seu Senhor e Salvador, você já está totalmente aprovado por Deus e amado por Ele. E se alguém porventura lhe amar menos, é importante que você saiba que Deus nunca o fará, porque o Seu amor por você não é baseado naquilo que você faz, fez ou deixou de fazer. Ele te ama porque decidiu te amar. E isso é algo maravilhoso, poderoso e libertador!

Não viva debaixo da aprovação de ninguém. Viva apenas debaixo da aprovação de Deus.

A VIDA BAGUNÇADA

A VIDA BAGUNÇADA

Talvez numa analise fria e simples você descreveria que sua vida hoje está uma bagunça. Talvez você ache que ela está num desastre completo. Sente-se que não há mais nada de pior que poderia acontecer. E o resultado é que você se sente triste, chateado, desanimado e confuso.

A Bíblia apresenta algumas histórias de pessoas cuja a vida estava numa bagunça total. Eles se sentiram como você.

Por exemplo, Jacó. Em Gênesis 27, ainda moço, enganou seu pai e seu irmão. Ele era um mentiroso e um trapaceiro e fugiu para salvar sua vida. Enquanto Jacó fugia, ele teve um encontro com Deus. Ali Deus afirmou que seria com ele. Quando acordou, Jacó disse que o Senhor estava naquele lugar. Deus usou aquela bagunça total de sua vida para transformá-lo e fazer dele um homem especial. Deus é especialista em transformar pessoas bagunçadas.

O outro exemplo é José em Gênesis 47. Ele foi odiado por seus irmãos. Eles quase o mataram, mas preferiram vendê-lo para os ismaelitas, que o venderam depois para Potifar no Egito. E por José ter ido para o Egito, Deus salvou milhares de pessoas da fome, dentre eles seus irmãos que o odiaram tanto. Deus é especialista em transformar a bagunça que o ódio promove, em perdão.

Um outro exemplo é Sansão em Juízes 13-16. Ele foi um homem escolhido por Deus desde o ventre, mas a vida toda fez as “coisas da cabeça”. Ele se tornou orgulhoso, prepotente, imoral e egoísta. Diante de seu último erro, Sansão se arrependeu. E o final é que em sua morte Deus o usou mais para Seus propósitos do que quando ainda estava vivo. Deus é especialista em transformar vidas bagunçadas e usá-las como Ele quer, ainda que seja no último minuto.

Talvez sua vida pode até parecer que está organizadinha na superfície, mas por baixo reina uma grande bagunça e confusão. Angústia, dor, vergonha, decepção, medo, indecisão e outros adjetivos talvez sejam a definição de sua vida nesse momento. Mas a boa notícia é que Deus é bem maior do que sua vida bagunçada.

Deus é onipotente. Ele não está confinado pelos limites que você dá a Ele, e até mesmo por sua descrença nEle. Ele não se ofende. Ele é especialista em situações confusas. Ele não tem medo trabalhar em situações confusas e bagunçadas. Ele sempre surpreende com Sua “Maravilhosa Graça”.

O que está bagunçado na sua vida hoje? Qual é a confusão que você está lutando? Entregue pra Deus. Diga a Ele: “Senhor, está aqui…tudo bagunçado…dê um jeito…já lutei demais…sou incapaz demais…estou perdido demais…”

Lembre-se de Efésios 3.20 que diz: “Àquele que é capaz de fazer infinitamente mais do que tudo o que pedimos ou pensamos, de acordo com o seu poder que atua em nós.”

Entregue sua bagunça de vida a Deus e deixe Ele tranformá-la em uma grande benção. Deus é especialista em lidar com vidas bagunçadas.

O AMOR AO DINHEIRO

O AMOR AO DINHEIRO

O dinheiro é um problema? Não! O dinheiro pode tornar-se um problema? Pode! O dinheiro é bom, mas corrompe; a questão sempre é como lida-se com ele. O certo é que o dinheiro mal usado pode nublar a linha da moralidade e da consciência.

O apóstolo Paulo afirmou em 1 Timóteo 6.10: “Porque o amor do dinheiro é raiz de todos os males…” “amor do dinheiro”, não o “dinheiro” é o problema. E de onde Paulo tirou esse princípio? Com certeza Paulo lia os escritos de Salomão no livro de Eclesiastes. Eclesiastes 5.10 afirma: Quem ama o dinheiro
jamais terá o suficiente;
quem ama as riquezas jamais ficará
satisfeito com os seus rendimentos.”

Amar o dinheiro não significa apenas ser avarento e ganancioso; significa torná-lo prioridade na vida; significa confiar, esperar e sentir-se seguro com ele. Os que amam o dinheiro por vezes acreditam que podem controlar tudo e todos; mantém-se soberbos e orgulhosos; enganam-se num falso senso de segurança e estabilidade, e até mesmo acreditam estar acima da lei e da justiça.

Jesus ao ter um encontro com um jovem rico, esse queria saber sobre a vida eterna. Mas quando confrontado para abandonar o amor ao dinheiro, ele foi embora muito triste. E após sua partida, Jesus afirmou categoricamente em Mateus 19.23: “Em verdade vos digo que um rico dificilmente entrará no reino dos céus.”

Essa é uma palavra dura para o homem do século 21. Jesus não está dizendo que todos ricos não serão salvos, mas que isso seria algo muito difícil. Por que? Porque os ricos amam o dinheiro; eles o coloca em primeiro lugar; eles definem suas escolhas, relacionamentos, oportunidades e espiritualidade através da ótica financeira. E quem assim o faz, perde a sua alma.

J.D. Rockefeller, falecido em 1937 com a idade de 97 anos, um homem muito rico, não só freqüentava assiduamente a igreja, como também, muitas vezes ensinava a palavra de Deus. Num dos seus estudos bíblicos testemunhou o seguinte com respeito ao seu êxito extraordinário: “Considero meu dever ganhar todo o dinheiro que possa ser ganho de modo honrado, mas também dar todo o dinheiro que se possa dar.” O que é o sucesso? É o dinheiro? Então é muito pouco…Quem é o mais pobre no mundo? Eu lhes direi: O mais pobre que eu conheço é o que nada possui além de dinheiro.”

Diante da possibilidade do amor ao dinheiro, o mais prudente a fazer é incorporar na vida a oração que o sábio fez em Provérbios 30.7-9: “Duas coisas peço que me dês
antes que eu morra: Mantém longe de mim
a falsidade e a mentira;
não me dês nem pobreza nem riqueza;
dá-me apenas o alimento necessário. Se não, tendo demais,
eu te negaria e te deixaria,
e diria: ‘Quem é o Senhor?’
Se eu ficasse pobre, poderia vir a roubar,
desonrando assim o nome do meu Deus.”

A ordem bíblica é: Não ame o dinheiro. Antes, direcione seu amor apenas para Deus e para as pessoas.

OS PROPÓSITOS DE DEUS

OS PROPÓSITOS DE DEUS

Pensamos erradamente sobre as circunstâncias da vida. Achamos que se elas vem num pacote “bom” é porque merecemos, mas se elas chegam num pacote “ruim” achamos que fizemos algo de errado e nos sentimos péssimos, desesperamos, deprimimos e perdemos o ânimo.

O livro de Jó é um livro que expõe a dor ao extremo. Jó sofreu como poucos. Mas depois de passar por todas as suas aflições e dúvidas, tendo sido finalmente questionado por Deus em vários assuntos, sem ser capaz de dar-Lhe uma resposta, Jó concluiu em uma só frase sua visão sobre a ações de Deus em sua vida em Jó 42.2 dizendo: “Bem sei que tudo podes, e nenhum dos teus planos pode ser frustrado.”

Jó em suas lutas entendeu que Deus tem todo o poder e um plano perfeito sobre tudo, e nada pode impedir que Ele siga adiante com o que está fazendo. Jó aprendeu que há um Deus soberano que tem propósitos definidos e reina sobre tudo.

Segundo a Bíblia, Deus reina sobre todas as circunstâncias. Ele tem um propósito claro em tudo. Paulo afirmou essa verdade em Romanos 8.28: “Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito.

A palavra “cooperar” significa “trabalhar junto”, ou seja, Deus permite que as circunstâncias boas e ruins da vida trabalhem para um plano perfeito e bom que Ele está desenvolvendo na vida daqueles que O amam.

Assim, o que supostamente não faz sentido hoje, o fará amanhã, porque Deus está no controle de todas as circunstâncias. Mas pensar assim exige fé. E fé significa andar com Deus, confiando nEle e manter-se calmo, e em paz quando as circunstâncias são desfavoráveis. Fé significa andar confiante no escuro da mesma forma que se fazia quando tudo estava claro. Fé significa agir com a mesma postura de Moisés em Hebreus 11.27 que “…saiu do Egito, não temendo a ira do rei, e perseverou, porque VIA AQUELE QUE É INVISÍVEL.”

No dia 30 de julho de 1967, Joni Eareckson Tada, uma jovem de 18 anos, sofreu uma fratura cervical que a deixou tetraplégica. Durante seus dois primeiros anos de reabilitação ela experimentou a raiva, depressão, pensamentos suicidas, e as dúvidas espirituais. Depois de uma séria experiência com Deus, Joni escreveu seu primeiro best-seller internacional chamado: “Joni: A inacreditável história da luta de uma jovem contra a quadriplegia e depressão.” Sua auto biografia tornou-se um filme, tendo ela mesma como atriz principal. Desde então ela tem escrito mais de 50 livros, envolvido em comitês para ajuda a deficientes, dando palestras e ajudando a muitos que sofrem diante de circunstâncias que não entendem. Joni ajuda as pessoas a caminhar com fé em Deus. Joni decidiu que suas circunstâncias não dirigiriam sua vida.

Ninguém será feliz nessa vida enquanto continuar brigando e teimando com Deus, ao invés de humildemente andar por fé e buscar compreender os Seus perfeitos propósitos.