DEUS ESTÁ PERTO

Davi era apenas um simples pastor de ovelhas que viu sua vida mudar de forma surpreendente. Deus enviou o profeta Samuel a sua casa para declarar a ele e a todos os seus familiares que ele seria, no tempo certo, rei de Israel.

Na prática, tudo na vida de Davi começa a mudar após sua ousadia em enfrentar o maior oponente de Israel: Golias. Davi o enfrentou e o matou (1 Samuel 17). A partir dessa vitória, ele se tornou o principal soldado do exército de Saul.

As coisas iam bem para Davi como um dos principais soldados do exército de Saul, até o dia em que Saul invejosamente levantou-se contra ele para o matar. Em 1 Samuel 19.1 lemos: “Falou Saul a Jônatas, seu filho, e a todos os servos sobre matar Davi…”

Os capítulos 20-31 de 1 Samuel tratam da perseguição de Saul a Davi. Enquanto era perseguido e sofria, Davi buscava ao Senhor.

As dores de Davi o fizeram mais próximo e íntimo de Deus. Suas lutas fizeram com que sua vida experimentasse a Deus de uma forma real e prática. Enquanto sofria, escrevia. Seus escritos compõem parte do livro de Salmos. Ele escreveu no Salmo 34.18: “Perto está o SENHOR dos que têm o coração quebrantado e salva os de espírito oprimido.”

Como Davi, podemos aprender que Deus permite nossas lutas para que possamos centrar nossa vida nEle. No meio dos reveses mais profundos Deus não está longe, Ele está bem perto.

Deus está perto e permite circunstâncias adversas em sua vida para que você se achegue a Ele, dependa dEle e faça dEle o centro de tudo. Cabe a você ir a Ele.

Deus está perto. O problema é que talvez você esteja longe demais dEle.

Anúncios

“…GRAÇA AOS HUMILDES”

Viver a vida centrada em Deus inclui uma postura de dependência e humildade diante dEle. Em 1 Pedro 5.5 o apóstolo afirma: “…Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes.”

Tentar controlar a vida é um grande fardo. A maioria das pessoas sofrem porque vivem em sua própria força, capacidade e habilidade. Elas não se achegam a Deus para pedir orientação, sabedoria, força e discernimento. Na verdade, elas não levam isso em conta, e acham que essa atitude é um sinal de fraqueza ou de fanatismo religioso.

A graça de Deus está disponível apenas aos humildes. Os humildes são aqueles que já “jogaram a toalha” e reconheceram suas fraquezas e debilidades. Eles estão conscientes que não podem dar um passo a mais em sua própria sabedoria porque entendem que ela é falha e perigosa.

Enquanto conseguirmos manter a vida em nós mesmos, jamais experimentaremos um relacionamento com Deus. Qualquer postura arrogante e orgulhosa de nossa parte nos leva mais para longe dEle e para o fracasso na vida.

Devemos estar dispostos a reconhecer nossa necessidade diária; devemos manter-nos desesperados por Deus e por Sua ação poderosa em nossas vidas; devemos focar nEle como nossa única e última esperança. Quando assim o fizermos nossa vida encontrará norte e equilíbrio.

Todos aqueles que andam na soberba acabam sendo envergonhados, mas os que andam humildemente com Deus, encontrarão dEle as soluções para a vida. Isso é o que Provérbios 11.2 afirma: “Em vindo a soberba, sobrevém a desonra, mas com os humildes está a sabedoria.”

Enquanto existir uma fagulha de segurança e esperança firmada em sua capacidade, força e habilidade, você nunca dependerá exclusivamente da graça de Deus.

Para você experimentar a graça de Deus em sua vida, é preciso que você abandone totalmente sua própria força, seus supostos méritos e dependa unicamente dEle

LIDANDO COM A INVEJA

A inveja é uma das pobrezas e misérias da alma. João Crisóstomo declarou: “Como a traça corrói uma peça de roupa, assim a inveja consome um homem.”

A Bíblia deixa bem claro que a inveja é pecado. Em Gálatas 5.26, Paulo exorta: “Não nos deixemos possuir de vanglória, provocando-nos uns aos outros, tendo inveja uns dos outros.”

Nenhum relacionamento pode ser saudável quando a inveja impera. Pessoas invejosas intoxicam os relacionamentos. Elas são capazes de produzir brigas, divisões e confusões sem limites. Tiago 3.16 afirma: “Pois, onde há inveja e sentimento faccioso, aí há confusão e toda espécie de coisas ruins.”

O problema da inveja é que o invejoso nunca se alegra com o que tem, antes se entristece por não ter o que o outro tem. O invejoso se dói por não ter o caráter, o carisma, a capacidade ou as condições do outro.  

A inveja pode ainda conduzir a atitudes absurdas e criminosas. Tiago 4.2 afirma: “Cobiçais e nada tendes; matais, e invejais, e nada podeis obter; viveis a lutar e a fazer guerras. Nada tendes, porque não pedis.” No final o invejoso sempre sofre. A inveja não serve para nada.

Quando você reconhece que Deus é a origem, o meio e o fim de tudo o que você tem, é e se tornou, então você lidará corretamente com a inveja. Essa é a verdade afirmada em Romanos 11.36: “Porque dele, e por meio dele, e para ele são todas as coisas. A ele, pois, a glória eternamente. Amém.”

Se a inveja tem sido um problema em sua vida, arrependa-se hoje e peça que o Senhor lhe dê uma nova vida em Cristo, uma profunda gratidão pelo o que você é e tem, e que Ele disponha o seu coração para servir as outras pessoas.

LIDANDO COM O ABUSO

Gênesis 50.18-19 o texto descreve o seguinte com respeito a vida de José: “Depois, vieram também seus irmãos, prostraram-se diante dele e disseram: Eis-nos aqui por teus servos. Respondeu-lhes José: Não temais; acaso, estou eu em lugar de Deus?”

José se apresenta cheio de graça para com seus irmãos que haviam abusado dele no passado. Anos mais tarde, após José ter-se tornado poderoso no Egito, ele poderia facilmente retribuir e revidar o abuso de seus irmãos. Mas ele não o fez. Ele não se deixou levar por sua natureza pecaminosa; ele foi gracioso; ele agiu como Deus.

A humanidade tende a agir retaliando os abusadores. Quando se é ferido e abusado, a tendência é se tornar amargurado e esperar a hora certa para dar o troco.

Essa atitude apenas revela o quanto o abusado precisa de ajuda; o quanto ele precisa desesperadamente de Deus; o quanto precisa acreditar e praticar o que José acreditou e praticou. Não que os abusadores estejam certos. Não que Deus esteja aprovando o que os abusadores fizeram.

José perdoou o abuso de seus irmãos porque viu a si e a eles como Deus vê. Ele viu como Deus havia sido gracioso consumando um bom plano, ainda que permitindo o mal. Foi a compreensão da graça de Deus que fez José perdoar e abençoar seus irmãos.

Independentemente de quais abusos você tenha sofrido, o certo é agir como José e não tentar ser juiz da história. Deus é o juiz. Carregar um abuso é algo pesado, mas se tornar juiz e retaliar o abusador é assumir o papel de Deus; isso é muito pesado. Deixe Deus ser Deus.

Jesus pode lhe ajudar a manifestar graça e perdão a seus abusadores, porque como José, Ele também sofreu horríveis abusos, mas por ser e estar cheio e dominado da graça de Deus, Jesus disse na cruz: “Pai, perdoa-lhes porque não sabem o que fazem.”

Em Deus há sempre espaço para manifestar graça, amor, bondade e perdão aos abusadores, independente do abuso.

LIDANDO COM A IRA

Vivemos num mundo irado e irritado. Os nervos estão à flor da pele. O que fazer?

A Bíblia ensina claramente que você pode lidar com a ira. Em Efésios 4.31 Paulo afirma: “Longe de vós toda a amargura, e cólera, e ira, e gritaria, e blasfêmias, e bem assim toda a malícia.”

O texto ensina que a ira nunca caminha só. Ela é o resultado de outros pecados. A ira é quase sempre gerada por uma mágoa silenciosa, que se traduz numa revolta interna: a cólera, e que por fim alimenta a própria ira, a qual é demonstrada por gritarias, histerismo, dizeres blasfemos e maldosos.

Assim, para você lidar com a ira é preciso que você a veja como Deus a vê. Segundo Efésios 4.31, Deus chama a ira de pecado. Para qualquer pecado, a solução proposta por Deus é sempre o reconhecimento (“Senhor, eu sou uma pessoa irada”); o arrependimento (“Diante de Ti, Senhor, eu estou disposto abandonar a ira”); e a confissão (“Confesso Senhor o meu pecado da ira”).

A seriedade em lidar com qualquer pecado em sua vida, inclui não somente em abandonar o estilo pecaminoso, mas em substituí-lo por novos hábitos que agradam a Deus. É por isso que Paulo continua em Efésios 4.32, dizendo: “Antes sede uns para com os outros benignos, compassivos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus em Cristo vos perdoou.”

Quando você trata a ira e os outros pecados adjacentes dela com seriedade diante de Deus, se dispondo a viver de uma forma que O agrade, sua vida então será realmente transformada.

A ira nunca será tratada em sua vida enquanto você a ignorar e tentar justificá-la; não a vendo como Deus a vê, e não tratá-la no padrão que Deus exige.

Lembre-se que tudo muda quando se muda do jeito de Deus.

LIDANDO COM A CRÍTICA

Não importa o quanto uma pessoa seja correta, decente e pura em seus propósitos, o fato é que ela será criticada pelo o que e como faz.

A questão central não é a crítica, mas como lidar com ela. A Bíblia ensina alguns princípios simples e eficazes de como lidar com a crítica.

O primeiro princípio é que você precisa ser rápido para ouvir. Tiago 1.19 diz: “…Todo homem, pois, seja pronto para ouvir…” Ouvir um crítico falar pode ser o mais difícil porque seu desejo é refutar logo o que ele está dizendo. Ser rápido para ouvir significa considerar o que o outro está dizendo. Ouvir sempre pode ser o mais difícil, mas é o mais sábio.

O segundo princípio é que você precisa ser demorado para falar. Tiago 1.19 afirma: “…Todo homem, pois, seja…tardio para falar…” Na prática, quando o seu crítico estiver falando, não o interrompa. Deixe-o falar. Apenas ouça.

O terceiro princípio é que você deve se controlar emocionalmente; não fique irado. Tiago 1.19,20 declara: “…Todo homem, pois, seja…tardio para se irar. Porque a ira do homem não produz a justiça de Deus.” A raiva é um aliado dos grandes erros. Lembre-se sempre que Deus é paciente com os que O ofendem. Devemos agir assim também.

O quarto princípio é que você não deve se defender rapidamente. Jesus não agiu assim. 1 Pedro 2.23 afirma: “Pois ele, quando ultrajado, não revidava com ultraje; quando maltratado, não fazia ameaças, mas entregava-se àquele que julga retamente.” Só Ele pode lhe ajudar diante das críticas injustas porque Ele as conhece bem.

A crítica traz consigo bons frutos. Se você reagir corretamente ela lhe ajudará a ser mais sábio e mais humilde.

Por isso, dê um “bem-vindo” a crítica. Creia que Deus pode estar querendo falar a você por meio dela.

CONFIE CERTO

Confiar de forma certa é um grande desafio, especialmente quando os problemas dificuldades e crises chegam. Quando os desafios da vida chegam somos tendentes a confiar de forma errada.

Por exemplo, somos prontos a confiar de forma errada em nós mesmos e em nossas capacidades. Ainda que Davi fosse um exímio guerreiro e soubesse lidar muito bem com suas armas, ele não confiou em sua própria habilidade. Ele diz no Salmo 44.6: “Não confio no meu arco, e não é a minha espada que me salva.”

Podemos também errar confiando no homem. Diante da crise podemos confiar erradamente no amigo, no parente, no colega, nos governantes, no profissional, no líder espiritual, ou e outros. Mas o Salmo 146.3 nos ensina: “Não confieis em príncipes, nem nos filhos dos homens, em quem não há salvação.” Em Jeremias 17.5 somos exortados: “…Maldito o homem que confia no homem, faz da carne mortal o seu braço e aparta o seu coração do SENHOR!”

Como então confiar de forma certa? A Bíblia nos convoca a confiar somente em Deus. O Salmo 40.4 somos ensinados: “Bem-aventurado o homem que põe no SENHOR a sua confiança…” O Salmo 22.4,5 declara: “Nossos pais confiaram em Ti; confiaram, e os livraste. A Ti clamaram e se livraram; confiaram em Ti e não foram confundidos.”

Quando sua vida começa a abalar, e a ansiedade e o medo chegam, agarre-se em Deus; confie só nEle. Você acerta na vida quando confia em Deus. Nele você terá a segurança, alegria e força para enfrentar qualquer desafio que esteja à frente. Faça do Salmo 56.3 seu lema de vida: “Em me vindo o temor, hei de confiar em Ti.”

Agostinho sabiamente afirmou: “Confie seu passado à misericórdia de Deus, o seu presente ao amor de Deus e seu futuro à providência de Deus.”

Confie certo! Confie em Deus!