A ESPERANÇA NO NOVO ANO

O que você realmente precisa para o próximo ano? Sem dúvida você pode pensar em várias respostas, mas na verdade o que não lhe pode faltar mesmo é a esperança.

Quando você perde a esperança, perde-se o ânimo, o vigor e a disposição para lidar com a vida. Na verdade, quando se perde a esperança se perde até mesmo a vontade de viver.

A Bíblia é um livro de esperança. Ela apresenta o “Deus de toda a esperança”. Ele revela o Deus que participa na história daqueles que nEle confiam. Em diversos Salmos somos chamados a centrar a vida na esperança que Deus dá.

O Salmo 9.18 diz: “Pois o necessitado não será para sempre esquecido, e a esperança dos aflitos não se há de frustrar perpetuamente.”

O Salmo 46.1-3 declara: “Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente nas tribulações. Portanto, não temeremos ainda que a terra se transtorne e os montes se abalem no seio dos mares; ainda que as águas tumultuem e espumejem e na sua fúria os montes se estremeçam.”

O Salmo 62.5 diz: “Somente em Deus, ó minha alma, espera silenciosa, porque dele vem a minha esperança.”

O Salmo 146.5 encoraja: “Bem-aventurado aquele que tem o Deus de Jacó por seu auxílio, cuja esperança está no SENHOR, seu Deus.”

Assim sendo, não jogue fora sua esperança em Deus simplesmente porque os problemas chegaram, e talvez tudo indica que eles se manterão no próximo ano.

Se você se mantiver totalmente ligado em Deus, você será sustentado todos os dias do próximo ano com Sua esperança. Ele, e somente Ele, deve sempre ser a fonte de sua esperança no próximo ano.

Anúncios

TEMENDO O FUTURO

Ao chegar no final de ano saudamos a todos com um “Feliz Ano Novo!”. Mas quando iniciamos o ano precisamos mais do que uma saudação. Precisamos de esperança, ânimo, força, sabedoria e paz diante de tantas coisas que um ano novo pode trazer.

Um ano novo traz consigo algumas perguntas: Será que terei uma boa saúde? Será que meu casamento se manterá? O que será de meus filhos? Será que continuarei ainda no meu emprego? Estarei vivo até o próximo ano? A política e a economia melhorarão? Estarei livre da violência urbana?

Cerca de 3400 anos atrás Deus falou a Josué. Ele estava prestes a conduzir o povo de Deus à terra prometida. Ele tinha motivos de sobra para temer o futuro. Ele recebera de Deus uma enorme tarefa e estava bem ciente dos perigos. Diante de suas futuras e grandes responsabilidades, Deus lhe diz em Josué 1.9: “…Sê forte e corajoso; não temas, nem te espantes, porque o SENHOR, teu Deus, é contigo por onde quer que andares.”

Você talvez esteja temendo algo. Mas você, como Josué, não precisa se preocupar com nada no próximo ano. Você é chamado apenas para viver o dia de hoje, os problemas e alegrias de hoje e a vida de hoje. Jesus diz em Mateus 6.34: “…basta ao dia o seu próprio mal.”

Deus soberanamente sabe o que acontecerá no próximo ano. Cabe a você manter-se forte e cheio de coragem, enquanto descansa nEle e no Seu maravilhoso comando. Ele promete Sua presença em todos os momentos no próximo ano.

Se você tem a promessa de que Deus estará com você, então você não precisa temer o futuro. A presença dEle em sua vida garante que você pode crer e viver um “Feliz Ano Novo” independente das circunstâncias.

A ATITUDE CERTA NO NATAL

O período de Natal é um tempo maravilhoso, como também triste e depressivo. As lembranças das dores do ano que se finda batem forte e parece que uma nuvem negra se instaura na alma.

Mas na verdade a atitude do Natal não pode e nem deve ser regida por situações boas e ruins que ocorreram na vida. É preciso ir adiante; é preciso manter uma atitude diferente e mais sublime no Natal.

Em Lucas 2 temos o relato do nascimento de Jesus. José e Maria não encontraram uma hospedaria porque a pequena cidade de Belém recebeu muito mais gente para recensear, conforme o decreto do imperador Romano, César Augusto.

Em Lucas 2.6,7 lemos assim sobre o nascimento de Jesus: “…e aconteceu que, enquanto se achavam em Belém, chegou o tempo de a criança nascer. Então Maria deu à luz o seu primeiro filho. Enrolou o menino em panos e o deitou numa manjedoura, pois não havia lugar para eles na hospedaria.”

Por que José e Maria se submeteram a dormirem num estábulo e a colocar Jesus numa manjedoura; num cocho, onde animais comem?

A resposta é: José e Maria era um casal humilde e estavam gratos a Deus por encontrarem um local para ficar e para deitar o pequeno Jesus.

Por um outro lado, Deus permite toda essa situação para revelar que o Rei Salvador vem ao mundo de uma forma humilde para alcançar somente os humildes de coração.

É triste afirmar, mas nem sempre nossa atitude tem sido marcada pela humildade. O espírito consumista e orgulhoso, depõe contra todos nós no período de Natal. Somos fascinados pela ostentação e pelo glamour e nunca pela simplicidade da cena do primeiro Natal.

É preciso lembrar: sem a atitude certa, não há Natal.

O NATAL DO JESUS INCOMPARÁVEL

Em Lucas 2.10,11, um anjo anuncia aos pastores o nascimento de Jesus. Ele diz: “…Estou lhes trazendo boas novas de grande alegria, que são para todo o povo: Hoje, na cidade de Davi, lhes nasceu o Salvador que é Cristo, o Senhor.”

O anjo define a criança como o Salvador dos pecadores, o Messias desejado de Israel, e o Senhor; o próprio Deus. Ele sabia o que estava falando porque conhecia muito bem as profecias bíblicas sobre Jesus, e o conheceu pessoalmente na eternidade. Jesus é superior aos anjos e homens. Ele é incomparável!

Cerca de 30 anos depois do anúncio do anjo aos pastores, um homem aparece: João Batista. Ele foi o profeta enviado por Deus para preparar o caminho para o ministério de Jesus.

João Batista fez uma afirmação tremenda sobre Jesus em João 1.29: “…Vejam! É o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!” Em João 3.31 ele afirma algo também maravilhoso sobre Jesus: “…Aquele que vem do céu está acima de todos.” Para João Batista, Jesus é superior a todos; ninguém é igual a Ele. Ele é incomparável!

O Dr. John Edmund Haggai afirmou:

“Nenhum personagem na plataforma da história pode permanecer ao lado do Cristo incomparável.

Ele é a coroa do universo, o cumprimento das profecias, o salvador do mundo. Cristo sobrepuja a todos. Ele é a voz humana em toda a música, a estética de toda escultura. Ele é a mais aprimorada mistura de luz e sombra de toda a pintura. Ele é o ápice da realização de qualquer empreendimento.

Para o artista, Ele é a sublimidade da beleza.

Para o arquiteto, a Pedra fundamental.

Para o astrônomo, Ele é a brilhante Estrela da manhã.

Para o padeiro, Ele é o Pão da vida.

Para o biólogo, Ele é a origem da vida.

Para o construtor, Ele é o firme fundamento.

Para o carpinteiro, Ele é a porta.

Para o médico, Ele é o Médico dos Médicos.

Para o educador, Ele é o Mestre dos Mestres.

Para o engenheiro, Ele é o novo e vivo Caminho.

Para o geólogo, Ele é a Rocha eterna.

Para o escritor, Ele é a Palavra Viva.

Para o camponês, Ele é o Semeador e o Senhor da colheita.

Para o floricultor, Ele é a Rosa de Sarom, o Lírio dos vales.

Para o viticultor, Ele é a Videira verdadeira.

Para o magistrado, Ele é o Juiz de toda a terra.

Para o jornalista, Ele é a boa notícia de grande alegria.

Para o filósofo, Ele é a sabedoria de Deus.

Para o pregador, Ele é a Palavra de Deus.

Para o estadista, Ele é o desejado de todas as nações.

Para o trabalhador, Ele é o descanso de todas as fadigas.

Para o cristão, Ele é o Filho do Deus vivo, o Salvador, Redentor e Senhor.

Para o discípulo, Ele é o supremo pastor.

Para o pecador, Ele é o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. Ele é Cristo, o incomparável.”

Jesus é incomparável! Entregue-se a Ele nesse Natal e deixe que Ele o dirija todos os dias de sua vida.

O NATAL DOS INDIFERENTES


 
Em Mateus 2.4-6 lemos: “Tendo (Herodes) reunido todos os chefes dos sacerdotes do povo e os mestres da lei, perguntou-lhes onde deveria nascer o Cristo. E eles responderam: Em Belém da Judéia; pois assim escreveu o profeta: Mas tu, Belém, da terra de Judá, de forma alguma és a menor entre as principais cidades de Judá; pois de ti virá o líder que, como pastor, conduzirá Israel, o meu povo.”  
 
Quando os magos apareceram em Jerusalém procurando o “Rei dos Judeus”, Herodes mandou chamar a cúpula dos religiosos de sua época, que compunha dos chefes dos sacerdotes e mestres da lei.
 
Esses homens deveriam saber onde o Messias haveria de nascer, porque compreendiam a profecia de Miquéias 5.2 que afirmava que o Messias deveria nascer em Belém da Judéia.
 
Quando os magos chegaram, esses líderes religiosos não estavam dispostos a viajar cerca de 10 km para descobrir se a criança poderia ser o Messias. Eles perderam o primeiro Natal por causa da indiferença. Eles não se importaram. Não havia espaço para o Messias em seu sistema. E quando a criança cresceu e foi revelada a todo Israel, Eles O odiaram e O mataram. Tudo porque sempre foram indiferentes.
 
Como esses religiosos, talvez você também esteja indiferente a Jesus. Você talvez continua mantendo suas preocupações e interesses apenas no seu dia a dia.
 
Como esses religiosos, você talvez ache que não precise de um Messias Salvador. Você ignora o fato bíblico que diz em Romanos 6.23: “…o salário do pecado é a morte…”  Você continua acreditando que não corre nenhum risco espiritual e não se disporá urgentemente em ir a Ele para ser salvo de seus pecados.
 
Não continue sendo indiferente em mais um Natal. Venha a Jesus! Entregue-se a Ele! Ele é o Salvador, a razão e o significado da vida.

PERDIDOS NO NATAL

Em Lucas 2.6,7 lemos: “Enquanto estavam lá, chegou o tempo de nascer o bebê, e ela deu à luz o seu primogênito. Envolveu-o em panos e o colocou numa manjedoura, porque não havia lugar para eles na hospedaria.”

Quando Jesus nasceu em Belém, nada de extraordinário mudou no cotidiano das pessoas. As pessoas estavam envoltas com seus problemas e dilemas. Elas não se atentaram para o maior evento da humanidade: a vinda do Salvador. Elas estavam perdidas e desconectadas da pessoa e da obra de Deus no mundo.

Uma dessas pessoas perdidas no primeiro Natal foi o dono da hospedaria.  Maria e José chegaram ali para se hospedar. Maria estava grávida. Eles haviam percorrido cerca de 145 km de Nazaré a Belém. O hospedeiro foi totalmente indiferente à situação de Maria e José. O texto bíblico não indica que esse homem fez qualquer esforço para ajudar o casal naquela situação.

Por que o dono da hospedaria se perdeu naquele Natal? A simples resposta é porque ele estava ocupado demais. A cidade de Belém estava repleta de pessoas por causa do censo. Havia um grande movimento; era hora de lucrar. O hospedeiro estava pensando em bens materiais.

E muita gente hoje é assim também. Elas mais uma vez estarão perdidas nesse Natal. A razão: estão ocupadas demais. Suas vidas estão cheias de coisas desnecessárias, insignificantes e sem sentidos. Elas estarão ocupadas demais com assuntos seculares e perderão mais uma vez a oportunidade de focar-se nos assuntos espirituais.

Se você está ocupado demais com sua vida, você também perderá a oportunidade de conhecer e receber a Jesus como seu Senhor e Salvador. Ele é o verdadeiro Natal. Ele veio para mudar sua vida e salvar-lhe de seus pecados. Ele é o que você precisa para sua vida tomar rumo. Venha a Ele!

AMEAÇADOS NO NATAL

Em Mateus 2.1-3 lemos: “Depois que Jesus nasceu em Belém da Judéia, nos dias do rei Herodes, magos vindos do Oriente chegaram a Jerusalém e perguntaram: Onde está o recém-nascido rei dos judeus? Vimos a sua estrela no Oriente e viemos adorá-lo. Quando o rei Herodes ouviu isso, ficou perturbado, e com ele toda a Jerusalém.”

Herodes era o rei dos judeus quando Jesus nasceu. Ao ser inquirido pelos magos onde estaria o “Rei dos Judeus”, Herodes ficou “perturbado”. A palavra significa “agitado” e dá a ideia de pânico, medo e terror.

Herodes sentiu-se ameaçado pela possibilidade de um outro rei, e para assegurar seu governo, impiedosamente mandou matar em Belém e aos arredores todas as crianças de dois anos para baixo. Ele era um homem moralmente fraco, medroso e ciumento. Ele via o nascimento de Jesus como uma ameaça.

O mundo continua ainda cheio de “Herodes” que nunca se ajoelharão diante de Jesus Cristo porque veem também nEle uma ameaça para vida.

Para muitos, o Jesus do Natal os ameaça em seus próprios planos, prioridades, valores, costumes, pensamentos e paradigmas. Os “Herodes” de hoje não querem um Jesus que reine sobre suas vidas. Eles não estão dispostos a alterar em nada a maneira como vivem.

Herodes viu em Jesus uma ameaça. E você? Continuará insistindo nesse Natal em ser o dono e senhor de sua própria vida, produzindo sua própria segurança, agindo como um rei em seu pequeno reino, controlando tudo e todos, vivendo das ameaças e medos da vida?

Pare de estabelecer seu próprio reino. Não insista nos mesmos erros e pecados de Herodes. Abandone-os e deixe Jesus reinar em sua vida. Ele não vem para lhe ameaçar; Ele vem para lhe dar a verdadeira vida. Entregue-se a Ele e experimente o verdadeiro sentido do Natal.