CONSELHOS PARA O PRÓXIMO ANO

CONSELHOS PARA O PRÓXIMO ANO

Salomão afirmou em Provérbios 9.9: “Instrua o homem sábio, e ele será ainda mais sábio; ensine o homem justo, e ele aumentará o seu saber.”

Eis aqui algumas instruções e conselhos que podem lhe fazer uma pessoa mais sábia e diferente no próximo ano.  

#1
Organize e planeje sua vida de forma equilibrada! Provérbios 19.21 diz: “Muitos são os planos no coração do homem, mas o que prevalece é o propósito do Senhor.” Provérbios nos ensina que naturalmente somos uma “fábrica de fazer planos” e devemos fazê-los. Contudo mantenha todos eles diante do Senhor, estando sempre aberto à Sua direção. Provérbios 16.3 diz: “Consagre ao Senhor tudo o que você faz, e os seus planos serão bem-sucedidos.” Planos bem-sucedidos são os que são feitos e submetidos ao Senhor. 

#2
Não abandone sua intimidade com Deus. Encontre-se com Ele diariamente. Saia da meninice espiritual; alimente-se por você mesmo através da Palavra de Deus. Ore! Ore quando a vida estiver boa e ruim. É nEle e por Ele que o bom da vida se realiza e o ruim apenas se torna difícil. Seja também grato e louve a Deus diariamente. Ache algo para dizer: “obrigado Senhor… bendito seja o Teu nome”. Nunca desculpe seu pecado. Quando pecar contra o Senhor assuma e diga: “eu fiz isso…” Peça perdão a Ele e peça perdão também às pessoas a quem você pecou. Seja humilde! Não há preço para uma consciência pura e limpa diante de Deus e dos homens. 

#3
Aproxime-se mais das pessoas. Não faça nada que lhe afaste delas. É difícil consolidar uma amizade, mas é muito fácil perdê-la. Foque em seus relacionamentos e os valorize. Trate com seriedade também qualquer ressentimento, mágoas ou amarguras. A vida é sempre melhor para os que decidem viver o perdão como estilo de vida. 

#4
Assuma a responsabilidade sobre sua vida. Pare de reclamar, criticar e julgar o cônjuge, os pais, os filhos, o professor, o patrão, o empregado, os governantes, o país, ou qualquer pessoa. Não desculpe seus erros nos erros dos outros, e muito menos culpe-os pelo seu fracasso. Saia da dependência emocional do outro. Seja responsável para com suas ações e reações. Assuma o controle de sua vida. 

#5
Não use seu dinheiro de forma errada. Aprenda a não gastar se não tem. Aprenda a guardar. Aprenda a contribuir para o Reino de Deus e para com os necessitados. Não seja cobiçoso. Esteja contente com o que é e tem. Não viva no padrão de ninguém. Rejeite ser medido por bens materiais. Use com critério o seu dinheiro.

#6 
Siga a Jesus. Viva para o Mestre. Não se arrisque achando que fora dEle há vida. Os que tentaram viver assim se enganaram. É nEle que a vida toma sentido e brilho. Submeta-se a Ele! Ame-O! Sirva-O! Alegre-se nEle! Entregue-se a Ele sem reservas. É unicamente nEle, por Ele, por meio dEle e para Ele que a vida encontra vida hoje e eternamente. 

Medite sobre esses princípios. Decida por eles. Que a sua vida e seu próximo ano seja cheio de bênçãos e de muita felicidade.

DECISÕES ESPIRITUAIS PARA O PRÓXIMO ANO

DECISÕES ESPIRITUAIS PARA O PRÓXIMO ANO

As melhores decisões de uma vida são as de ordem espiritual. Decisões que começam com os princípios e a perspectiva de Deus, e são seguidas com seriedade, produzem paz, segurança e sucesso na vida.

A primeira decisão espiritual a ser feita é lidar seriamente com o pecado. Provérbios 28.13 afirma: “O que encobre as suas transgressões jamais prosperará; mas o que as confessa e deixa alcançará misericórdia.” O pecado é uma palavra agressiva à sensibilidade intelectual do homem do século XXI, mas é um termo extremamente atualizado diante de Deus. Quando pecamos, pecamos contra Ele. Ninguém terá uma vida em paz e tranquila sem tratar seriamente o pecado diante do Senhor. Pecado precisa ser confessado pelo nome. Chame orgulho de orgulho, egoísmo de egoísmo, avareza de avareza, etc. Chame o pecado pelo nome correto e livre-se dele pela graça do Senhor. 

Em segundo lugar decida também não se proteger. Isso parece uma afirmação absurda, mas não é. Há muita gente que vive tentando defender sua honra, capacidade, reputação, etc. Não tente se proteger, antes aprenda a colocar tudo diante de Deus e peça para que Ele aja em seu favor. O salmista agiu assim ao dizer no Salmo 37.5,6: “Entrega o teu caminho ao SENHOR, confia nele, e o mais ele fará. Fará sobressair a tua justiça como a luz e o teu direito, como o sol ao meio-dia.” Assim, volte-se completamente ao Senhor e deixe que Ele o defenda e o proteja. Pare de se auto proteger. 

Em terceiro lugar decida não ser possuído pelas posses. Não há nada errado em possuir coisas e desfrutá-las, mas há um grande perigo em deixar com que as posses nos possua. Nossa tendência egoísta é chamar sempre as nossas posses de “minha” e lutar para querer mais. Devemos nos lembrar que tudo o que temos e somos vem do Senhor. Romanos 11.36 afirma: “Porque dele, e por meio dele, e para ele são todas as coisas. A ele, pois, a glória eternamente. Amém!” Decida dar mais, doar mais, ajudar mais, contribuir mais, fazer mais com os recursos que o Senhor lhe tem dado. Livre-se da avareza, da ganância e da mesquinhez. Aja com generosidade.

Em quarto lugar decida ainda amar as pessoas. Jamais procure prejudicar alguém, mesmo que esse seja um inimigo declarado. Jesus claramente ensinou em Lucas 6.27-31: “Mas eu digo a vocês que estão me ouvindo: Amem os seus inimigos, façam o bem aos que os odeiam, abençoem os que os amaldiçoam, orem por aqueles que os maltratam. Se alguém lhe bater numa face, ofereça-lhe também a outra. Se alguém lhe tirar a capa, não o impeça de tirar-lhe a túnica. Dê a todo aquele que lhe pedir, e se alguém tirar o que pertence a você, não lhe exija que o devolva. Como vocês querem que os outros lhes façam, façam também vocês a eles.” Pessoas precisam ser amadas e nunca odiadas. Ame as pessoas!

Em quinto e último lugar decida glorificar a Deus em tudo o que você fizer. Paulo nos ordena em 1 Coríntios 10.31: “Assim, quer vocês comam, bebam ou façam qualquer outra coisa, façam tudo para a glória de Deus.” Uma profunda revolução sobrevirá àqueles que centrarem Deus em suas vidas. Habitue-se em fazer tudo para glória de Deus. 

Lembre-se que os verdadeiros acertos na vida advêm de decisões espirituais baseados nos princípios e na perspectiva de Deus.

A FELICIDADE NO PRÓXIMO ANO

A FELICIDADE NO PRÓXIMO ANO

A busca pela felicidade é algo inerente do ser humano. A cada final de ano saudamos as pessoas com o tradicional “Feliz ano novo!” O certo é que todos queremos ser felizes e desejamos isso também a outras pessoas.

A Bíblia tem muito a dizer sobre a “felicidade”. Contudo ela não enfatiza a felicidade apenas como um estado emocional e passageiro; ela vai além. A descrição de uma pessoa feliz segundo a Bíblia é determinada especificamente por decisões feitas com base na pessoa e nos princípios de Deus. Alguém que assim age é chamado na Bíblia de “bem-aventurado” ou “feliz”.

Ao definir uma pessoa feliz, o Salmo 1 diz o seguinte: “Bem-aventurado o homem que não anda no conselho dos ímpios, não se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores. Antes, o seu prazer está na lei do SENHOR, e na sua lei medita de dia e de noite. Ele é como árvore plantada junto à corrente de águas, que, no devido tempo, dá o seu fruto, e cuja folhagem não murcha; e tudo quanto ele faz será bem sucedido. Os ímpios não são assim; são, porém, como a palha que o vento dispersa. Por isso, os perversos não prevalecerão no juízo, nem os pecadores, na congregação dos justos. Pois o SENHOR conhece o caminho dos justos, mas o caminho dos ímpios perecerá.”

O salmo 1 apresenta apenas dois grupos de pessoas: os “justos” e os “ímpios”. O nome dado a essas pessoas refere-se à forma como elas se relacionam com Deus.

O primeiro grupo são os “justos”. Esses são aqueles que consideram, centram, compactuam e caminham com Deus e seus princípios. Sua forma de ver e encarar a vida leva sempre em conta o que Deus pensa e diz em Sua Palavra, a Bíblia. Eles enxergam a vida pelo prisma Divino e não fazem dela um fim em si mesmo, antes a tem para os objetivos e propósitos de Deus. A atitude de “justo” faz dele um indivíduo muito feliz.

O segundo grupo são os “ímpios”. Eles no salmo são também chamados de “perversos”, “pecadores” e “escarnecedores”. O conteúdo dessas definições implica que esse tipo de pessoa é alguém que estabelece para si mesmo uma suposta estrutura ética e moral na qual tenta viver à parte de Deus. São pessoas que não apenas decidem suas vidas sem os padrões estabelecidos por Deus, mas O ignoram totalmente não só através de suas ações, mas também por meio de palavras de desprezo e arrogância contra Ele, enquanto fazem brincadeiras frívolas, zombado de tudo aquilo que é Divino, santo e verdadeiro. Esse tipo de pessoa aos olhos de Deus é um infeliz.

Segundo o salmo 1, “justos” e “ímpios” têm caminhos, conselhos e conversas diferentes. Eles não se compatibilizam. Eles agem e reagem à vida de forma diferente. Eles têm hábitos, jeitos, estilos e modos contrários e irreconciliáveis. Eles não se harmonizam porque a fonte da felicidade de um não é igual a do outro. O “ímpio” centra em si e sua vida é “como palha que o vento dispersa.” O “justo” centra em Deus e “tudo o quanto ele faz é bem sucedido.”

Segundo a Bíblia no Salmo 1, “felicidade” é uma questão de como se vê, age e reage para com Deus. Há somente dois grupos de pessoas: “justos” e “ímpios”.

Assim sendo, observando a forma como você vê, age e reage para com Deus, você diria que é um “justo” ou um “ímpio?” Sua própria descrição diante de Deus, determinará se você será feliz ou não no próximo ano.

EVITANDO FRACASSOS PARA O PRÓXIMO ANO

EVITANDO FRACASSOS NO PRÓXIMO ANO

Cria-se muita expectativa para um próximo ano. Muita gente crê que há algo mágico na frase “feliz ano novo”. Contudo nada mudará pelo simples deslocar do ponteiro de segundos do dia 31/12 para o dia 01/01. Na verdade, se decisões na vida não forem acertadas com base primeiramente nos valores de Deus e na sabedoria, o fracasso será certo.

Para se evitar fracassos no próximo ano é preciso tomar decisões acertadas, e a primeira delas é aprender a centrar a vida em Deus. Jesus afirmou em Mateus 6.33: “Buscai em primeiro lugar o Reino de Deus e Sua justiça, e as demais coisas serão acrescentadas.” A falta de prioridade para Deus é o número um dos fracassos da vida. Quem não se submete a Deus e à Sua Palavra terá dificuldade em viver e jamais poderá confirmar o que está escrito em Isaías 43.18-19, que diz: “Não vos lembreis das coisas passadas, nem considereis as antigas. Eis que faço coisa nova, que está saindo à luz; porventura, não o percebeis? Eis que porei um caminho no deserto, e rios no ermo.” 

Em segundo lugar, para se evitar fracassos no próximo ano é preciso uma análise fria e coerente de como se está vivendo. É preciso fazer um inventário de todas as áreas da vida. Provérbios 27.12 nos ensina que: “o prudente percebe o perigo e busca refúgio; o inexperiente segue adiante e sofre as consequências.” É preciso ser realista sobre decisões que foram tomadas e quais os resultados alcançados. É preciso abandonar pecados, crenças, estilos, hábitos e visão de vida. Quem não avalia a vida, não muda. 

Em terceiro lugar, para se evitar fracassos no próximo ano é preciso ouvir mais. Provérbios 15.22 afirma que: “os planos fracassam por falta de conselho.” Não é ouvir qualquer um, é ouvir as pessoas que temem a Deus, nos amam e querem o nosso bem. O orgulho e o preconceito impedem as pessoas de ouvirem. Muitas decisões erradas são tomadas pelo fato de não se pedir opinião, e decisões erradas se tornam atrasos de vida. 

Em quarto lugar, para se evitar fracassos no próximo ano é preciso também aprender a lidar com as dificuldades da vida. Provérbios 24.10 afirma que: “se você vacila no dia da dificuldade, como será limitada a sua força!” O próximo ano reserva a todos alegrias e lutas. Comumente somos enganados por acreditar que teremos apenas coisas boas na vida, mas isso não é verdade. Teremos lutas e precisaremos saber lidar com elas. Algumas serão extremamente difíceis e será necessário uma fé inabalável no Senhor, pessoas para apoiar e muita sabedoria. 

Infelizmente muitas pessoas entrarão no próximo ano sem fazer mudanças em sua vida espiritual, familiar, relacional, social, financeira e profissional. Elas já chegarão ao próximo ano sem norte e sem rumo, tudo porque decidiram continuar do mesmo jeito. 

Lembre-se sempre que o fracasso na vida é a combinação da insistência em viver sem considerar os princípios de Deus aliada às decisões insensatas. Fuja das duas.

DEUS E MINHAS DORES 

DEUS E MINHAS DORES

Ao lidar com questões de saúde, desemprego, falta de recursos, morte, acidentes ou qualquer outra coisa inesperada, comumente perguntamos: “onde está Deus?” Ou oramos: “Pai, por que o Senhor deixou acontecer isso?”

Durante milênios o povo de Deus sente-se confuso quando as grandes dificuldades e sofrimento chegam. De alguma forma perguntamos se Deus realmente nos ama. No Salmo 74.1, o salmista teve essa impressão. Ele diz: ” Por que nos rejeitas, ó Deus, para sempre? Por que se acende a tua ira contra as ovelhas do teu pasto?”

A pergunta que paira sobre todos os que pertencem a Deus é: Por que Ele permite que coisas ruins aconteçam com o seu povo? Ou, pior, por que Ele as envia? Porventura são elas castigos? 

Algumas verdades precisam ser compreendidas diante do sofrimento e da dor.

1 – A terra está devastada pela entrada do pecado e por isso o mundo sofre. Vamos ter nessa vida alguns relances do céu, mas aqui não é o céu. 

2 – Deus em seu amor, graça e bondade eterna, coloca limite a dor. Ele sabe até onde podemos suportar. Ele freia a dor na hora certa. 

3 – Deus promete cuidar, amparar, fortalecer, animar e encorajar ao seu povo diante da dor. Os Salmos abundam quanto a essa verdade. Não estamos nunca só. 

4 – Deus honra a fé. Deus se agrada em ver que quando seus filhos não conseguem ver Ele agindo no todo, mas pela fé eles não se amarguram com Ele porque sabem que Ele é amor e tem algo maior que vai além da débil e equivocada visão de ver a vida.

5 – Há dores e sofrimentos que são advindos da rebeldia, hipocrisia e desobediência a Deus. O pecado é como comida estragada, faz mal; o único meio é colocar pra fora; vomitar. O único caminho para o pecado é o arrependimento e a confissão, como nos ensina o Salmo 32, 51 e 1 João 1.9.

6 – Deus permite as dores para nos achegarmos a Ele de uma forma especial e íntima. Há pessoas que nunca seriam transformadas profundamente sem as dores da vida. As dores revelam quem somos e o estado real de nosso coração.

Deus não é cínico, sarcástico ou está brincando conosco. Não! Ele é o Deus de todo amor, toda graça, toda bondade e sempre presente.

O desafio diante das lutas é confiar, esperar e depender plenamente dEle. Ele agirá a Seu tempo. 
Lembre-se sempre que aqui não é o céu. O céu está no céu. Enquanto aqui vivermos teremos lutas.

O NATAL DO JESUS INCOMPARÁVEL

O NATAL DO JESUS INCOMPARÁVEL

Em Lucas 2.10,11, um anjo anuncia aos pastores o nascimento de Jesus. Ele diz: “…Estou lhes trazendo boas novas de grande alegria, que são para todo o povo: Hoje, na cidade de Davi, lhes nasceu o Salvador que é Cristo, o Senhor.”

O anjo define a criança como Salvador dos pecadores, O Messias desejado de Israel, e o Senhor; o próprio Deus. Ele sabia o que estava falando porque conhecia muito bem as profecias bíblicas sobre Ele, e o conheceu pessoalmente na eternidade. Jesus é superior aos anjos e homens. Ele é incomparável!

Cerca de 30 anos depois do anúncio do anjo aos pastores, um homem aparece: João Batista. Ele foi o profeta enviado por Deus para preparar o caminho para o ministério de Jesus. Ele fez uma afirmação tremenda sobre Jesus em João 1.29,30: “…Vejam! É o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo! Este é aquele a quem eu me referi, quando disse: Vem depois de mim um homem que é superior a mim, porque já existia antes de mim. Em João 3.31 João Batista também afirma algo maravilhoso sobre Jesus: “…Aquele que vem do céu está acima de todos.” Para João Batista, Jesus é o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo, é próprio Deus pré-existente que vem do céu. Ele é superior a todos. Para João Batista, ninguém é igual a Jesus. Ele é incomparável.

Dr John Edmund Haggai afirmou: “Nenhum personagem na plataforma da história pode permanecer ao lado do Cristo incomparável.
Ele é a coroa do universo, o cumprimento das profecias, o salvador do mundo. Cristo sobrepuja a todos.
Ele é a voz humana em toda a música, a estética de toda escultura.
Ele é a mais aprimorada mistura de luz e sombra de toda a pintura.
Ele é o ápice da realização de qualquer empreendimento.
Para o artista, Ele é a sublimidade da beleza.
Para o arquiteto, a Pedra fundamental.
Para o astrônomo, Ele é a brilhante Estrela da manhã.
Para o padeiro, Ele é o Pão da vida.
Para o biólogo, Ele é a origem da vida.
Para o construtor, Ele é o firme fundamento.
Para o carpinteiro, Ele é a porta.
Para o médico, Ele é o Médico dos Médicos.
Para o educador, Ele é o Mestre dos Mestres.
Para o engenheiro, Ele é o novo e vivo Caminho.
Para o geólogo Ele é a Rocha eterna.
Para o escritor, Ele é a Palavra Viva.
Para o camponês, Ele é o Semeador e o Senhor da colheita.
Para o floricultor, Ele é a Rosa de Sarom, o Lírio dos vales.
Para o viticultor, Ele é a Videira verdadeira.
Para o magistrado, Ele é o Juiz de toda a terra.
Para o jornalista, Ele é a boa notícia de grande alegria.
Para o filósofo, Ele é a sabedoria de Deus.
Para o pregador, Ele é a Palavra de Deus.
Para o estadista, Ele é o desejado de todas as nações.
Para o trabalhador, Ele é o descanso de todas as fadigas.
Para o cristão, Ele é o Filho do Deus vivo, o Salvador, o Redentor e Senhor.
Para o discípulo, Ele é o supremo pastor.
Para o pecador, ‘Ele é o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo.’
Ele é Cristo, o incomparável.”

Jesus é incomparável! Por isso, entregue-se nesse Natal a Ele e deixe que Ele o dirija todos os dias de sua vida, e você verá que Ele é incomparável.

O NATAL DOS INSEGUROS

O NATAL DOS INSEGUROS

Em Mateus 2.1-3 lemos: “Depois que Jesus nasceu em Belém da Judéia, nos dias do rei Herodes, magos vindos do Oriente chegaram a Jerusalém e perguntaram: Onde está o recém-nascido rei dos judeus? Vimos a sua estrela no Oriente e viemos adorá-lo. Quando o rei Herodes ouviu isso, ficou perturbado, e com ele toda a Jerusalém.”

Herodes era o rei dos judeus quando Jesus nasceu. Ao receber a pergunta dos magos onde estaria o “Rei dos Judeus”, Herodes ficou “perturbado”. A palavra no original significa “agitado”, dá uma ideia de pânico, medo e terror. Herodes ficou com medo de ter um outro rei em seu lugar. Por que tanto medo? A história responde. 

O imperador Júlio César nomeou Antípater, pai de Herodes para ser o governador da Judéia, que estava sob a ocupação romana. Antípater, conseguiu a seu tempo colocar seu filho Herodes, como prefeito da Galiléia. Em 40 a.C Herodes foi declarado rei dos judeus pelo imperador Otaviano. Herodes não era judeu, era um edomita; ele era da casa de Esaú. Ele se casou com a judia Mariana com o fim de se tornar mais aceitável aos judeus que agora governava. Ele era um guerreiro inteligente, capaz, hábil orador e um diplomata. Mas Herodes também era cruel, impiedoso, ciumento, desconfiado, e tinha muito medo de perder sua posição e poder. Para defender sua posição ele matou em sua época o sumo sacerdote Aristóbulo, afogou seu cunhado, matou sua esposa Mariana, matou sua mãe e seus dois filhos. Cinco dias antes de sua morte (cerca de um ano depois que Jesus nasceu), ele mandou executar seu terceiro filho. Herodes era um bárbaro. O ato mais bárbaro é que para assegurar seu governo, sabendo que o “Rei dos Judeus” havia nascido em Belém, e que os magos não voltaram dando retorno do local exato da criança, ele então mandou matar todas as crianças em Belém e seus arredores. Herodes nunca permitiria qualquer ameaça a seu trono. Herodes era um homem inseguro e ciumento. Ele não quis o Natal de Jesus porque além de inseguro, ele era um homem depravado.

E hoje os “Herodes” andam soltos em nossa humanidade. Pessoas inseguras que tentam controlar tudo, não conseguem abrir mão de seus próprios planos, prioridades, valores, costumes, pensamentos; gente fixa em seus próprios paradigmas. Eles por vezes querem um Cristo do seu jeito ou nem o querem. Eles se apavoram com a possibilidade de mudanças, transformações e compromisso. Eles não estão dispostos a alterar em nada a maneira como vivem. São pessoas inseguras.

E você? Continuará também sendo o dono e senhor de sua vida, agindo como um rei em seu pequeno reino, controlando tudo e todos, vivendo na base do medo e da insegurança? Isso certamente será trágico em sua vida! Seja como os magos, vá ao encontro de Jesus, e você O achará.

NO NATAL RELEMBRAMOS…

NO NATAL RELEMBRAMOS…

O tempo de Natal é algo maravilhoso e ao mesmo tempo confuso. Confundimos natal com “Papai Noel”, “trenó”, “árvore de natal”, “luzes”, comida, bebida, festas, reunião de família, brinquedos, presentes, etc.

Mas o que é o Natal? A definição, significado e verdade sobre o Natal é algo único. O Natal é explicado na Bíblia em Mateus 1.12-23, quando o anjo aparece a José dizendo: “…José, filho de Davi, não temas receber Maria, tua mulher, porque o que nela foi gerado é do Espírito Santo. Ela dará à luz um filho e lhe porás o nome de Jesus, porque ele salvará o seu povo dos pecados deles… Ora, tudo isto aconteceu para que se cumprisse o que fora dito pelo Senhor por intermédio do profeta: Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho, e ele será chamado pelo nome de Emanuel (que quer dizer: Deus conosco).”

A verdade revelada a José é que a CRIANÇA QUE NASCERIA DE MARIA, CUJO NOME SERIA “JESUS”, ERA O PRÓPRIO DEUS QUE VIRIA AO MUNDO PARA SALVAR-NOS DOS NOSSOS PECADOS. 

Paulo explica essa verdade em 1 Timóteo 1.15 ao dizer: “…Cristo Jesus veio ao mundo para salvar os pecadores, dos quais eu sou o principal.” Essa é a simples e profunda mensagem de Natal.

No Natal relembramos de QUEM SOMOS e QUEM DEUS É. 

No Natal relembramos de que somos pecadores diante de Deus. Em Romanos 3.23 lemos: “Pois todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus.”

No Natal relembramos que a criança é o presente gracioso do amor de Deus aos pecadores. Em João 3.16 Jesus diz: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu filho unigênito, para que todo aquele que nele crê, não pereça, mas tenha a vida eterna.” 

No Natal relembramos que todos os que se arrependem encontram em Deus o perdão, a vida eterna, a plena reconciliação com Ele e a vida que tanto se procura. Em Atos 3.19 Pedro afirma: “Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados…”

No Natal relembramos que o dia de uma nova vida para você pode ser hoje e agora; relembramos que o Salvador Jesus veio para salvar você de seus pecados; relembramos que Deus perdoa todos os seus pecados se você vier a Ele. 

No Natal relembramos que há esperança para todos nós, e todos os que recebem a Jesus como Senhor e Salvador, não só encontram o sentido do Natal, mas a vida que tanto estão procurando.

OCUPADOS DEMAIS PARA O NATAL

OCUPADOS DEMAIS PARA O NATAL

Em Lucas 2.6,7 lemos: “Enquanto estavam lá, chegou o tempo de nascer o bebê, e ela deu à luz o seu primogênito. Envolveu-o em panos e o colocou numa manjedoura, porque não havia lugar para eles na hospedaria.”

Quando Jesus nasceu em Belém, nada de extraordinário mudou no cotidiano das pessoas. As pessoas estavam envoltas com seus supostos problemas, responsabilidades e dilemas. Elas não atentaram para o maior evento da humanidade: a vinda do Salvador. Elas estavam perdidas; desconectadas da pessoa e da obra de Deus no mundo.

Uma das pessoas perdidas no primeiro Natal foi o dono da hospedaria. Maria e José chegaram ali para se hospedar. O hospedeiro foi totalmente indiferente à situação de Maria e José. Maria estava grávida. Eles haviam percorrido cerca de 145 kms de Nazaré a Belém. O texto bíblico não indica que esse homem fez qualquer esforço para ajudar o casal naquela situação.

Não dar uma hospedagem digna é algo incomum as pessoas do Oriente Médio. Elas costumam ser extremamente hospitaleiras, prontas para ajudar e cuidar. Eles são um tipo de pessoa que não deixariam uma mulher sozinha para ter uma criança. Mas aquele dono da hospedaria o que é que ele fez?

O texto diz que Maria “…deu à luz o seu primogênito…” seu primeiro filho por si mesma. Maria “…envolveu-o com panos…” Imagine a cena: uma jovem mãe, sem experiência em dar à luz, sem nenhuma parteira para ajudar. E ainda que José estivesse ali ao seu lado, ele não poderia fazer muita coisa. Aquela foi uma hora muito difícil para Maria. Naquele ápice de sua vida como mulher, quando sua feminilidade se revela ao máximo, quando precisava ser cercada de cuidado e carinho, ali estava ela, só. Ela fez tudo o que se podia fazer: envolveu-o em panos. Será que o dono da hospedaria não conhecia nenhuma parteira?

O texto continua dizendo que Maria o colocou “…numa manjedoura…” Manjedoura nada mais é do que um cocho, ou seja, um recipiente feito de um tronco de árvore cavado para dar de comer aos animais. Aquela criança envolta em panos, fora colocada num cocho, sem qualquer assepsia e cuidado. Será que o dono da hospedaria não conhecia ninguém que poderia recepcioná-los?

Por que o dono da hospedaria se perdeu naquele Natal? A simples resposta é porque ele estava ocupado demais. A cidade de Belém estava cheia por causa do censo; estava em grande movimento. Era hora de lucrar. Muitos antepassados de Davi vieram para lá. O dono da hospedaria não era insensível ou hostil; ele estava apenas ocupado demais pensando em lucro e bens materiais.

E muita gente hoje é assim também. Elas mais uma vez estarão perdidas nesse Natal. A razão: estão ocupadas demais. Suas vidas estão cheias de coisas desnecessárias, insignificante e sem sentido.

O triste é que mais uma vez, como em “Natais” anteriores, muita gente estará ocupada demais com coisas dessa vida. Quem costuma se ocupar demais com assuntos seculares, costuma também perder o foco do que é espiritual, importante e prioritário.

Se você está ocupado demais com sua vida, você também perderá a oportunidade de conhecer e receber a Jesus como Senhor e Salvador, porque Ele, Jesus, é o Natal. Ele é o Salvador dos pecados. Ele é o verdadeiro sentido do Natal.

OS ARROGANTES SERÃO HUMILHADOS

OS ARROGANTES SERÃO HUMILHADOS

Os capítulos 1 a 4 de Daniel conta-nos a história da interação do rei Nabucodonozor com Daniel e consequentemente com Deus. 

No capítulo 4, após Nabucodonozor ter um sonho, Daniel o advertiu para que ele mudasse de vida, se humilhando diante de Deus, evitando assim um terrível julgamento que o levaria à insanidade. Mas Nabucodonozor não se humilhou e nem se arrependeu de seus pecados.

Em Daniel‬ ‭4.33-34,36-37‬ o profeta finaliza o veredito de Deus contra Nabucodonozor. Ele diz o seguinte: “A sentença sobre Nabucodonozor cumpriu-se imediatamente. Ele foi expulso do meio dos homens e passou a comer capim como os bois. Seu corpo molhou-se com o orvalho do céu, até que os seus cabelos e pelos cresceram como as penas da águia, e as suas unhas como as garras das aves. Ao fim daquele período, eu, Nabucodonozor, levantei os olhos ao céu, e percebi que o meu entendimento tinha voltado. Então louvei o Altíssimo; honrei e glorifiquei aquele que vive para sempre. O seu domínio é um domínio eterno; o seu reino dura de geração em geração. Naquele momento voltou-me o entendimento, e eu recuperei a honra, a majestade e a glória do meu reino. Meus conselheiros e os nobres me procuraram, meu trono me foi restaurado, e minha grandeza veio a ser ainda maior. Agora eu, Nabucodonozor, louvo, exalto e glorifico o Rei dos céus, porque tudo o que ele faz é certo, e todos os seus caminhos são justos. E ele tem poder para humilhar aqueles que vivem com arrogância.”‬‬‬‬

Esse triste e ao mesmo tempo feliz episódio na vida de Nabucodonozor ensina-nos o seguinte sobre Deus: 

1. Independente da história humana, Ele continua sendo Deus e soberano sobre os grandes governantes do mundo. A história está sob Seu perfeito controle.

2. Ele odeia o orgulho e sabe agir com dureza e firmeza usando métodos extremos para que o orgulhoso se humilhe diante dEle. O chamado dEle para qualquer pessoa é o arrependimento. Todos os que abandonarem a autojustiça e o orgulho, e se humilharem diante dEle terão suas vidas transformadas.

3. Ele é que abre o entendimento para que o mais vil, perverso e orgulhoso ser humano se converta a Ele. Ele perdoa qualquer pecado de qualquer pessoa arrependida. 

4. Deus é o centro de tudo. Toda a honra e toda a glória são e devem ser dadas a Ele. O fim e propósito de todo ser humano, independente de classe social, cultura e poder econômico, é honrar, glorificar e exaltar a Deus. 

Infelizmente ainda há muitos que insistem em viver como Nabucodonozor; não receiam em expor seu orgulho e arrogância. Mas felizmente há um Deus nos céus que humilha e quebranta arrogantes. Ele assim o faz para que esses rendam-se a Ele, e encontrem nEle a vida.

A história de Nabucodonozor está na Bíblia para encorajar a cada um de nós a vivermos humildemente diante de Deus, porque diante dEle todos os arrogantes serão humilhados.