ESTAR CONTENTE

ESTAR CONTENTE

Em Lucas 3 João Batista estava pregando uma mensagem de arrependimento. Os que aceitavam essa mensagem eram batizados. No versículo 14 alguns soldados se apresentaram a ele para serem batizando e perguntaram: “E nós, o que devemos fazer?” Ele respondeu: “Não pratiquem extorsão nem acusem ninguém falsamente; contentem-se com o seu salário”.

 Descontentamento e fé não combinam. Estar contente é uma verdade a ser aprendida e vivida por todos aqueles que professam fé em Jesus Cristo. Paulo afirmou em 1 Timóteo 6.6: “De fato, a piedade com contentamento é grande fonte de lucro, pois nada trouxemos para este mundo e dele nada podemos levar; por isso, tendo o que comer e com que vestir-nos, estejamos com isso satisfeitos.” Em Hebreus 13.5: “Conservem-se livres do amor ao dinheiro e contentem-se com o que vocês têm, porque Deus mesmo disse: “Nunca o deixarei, nunca o abandonarei”.

Pessoas descontentes são sempre ingratos e cobiçosos. Eles estão sempre estão se queixando, reclamando e invejando. Os descontentes se sentem injustiçados e privados de algo; eles parecem nunca ter o suficiente e querem mais e mais. De forma prática, eles sempre vivem fora de seu orçamento financeiro; compram coisas que não podem pagar, e se individam. A verdade é que nada pode deter uma pessoa egocêntrico e descontente. Os descontentes sempre serão infelizes não importa o quanto são e tenham.

Estar contente não tem nada a ver com posses, dinheiro e bens. Contentamento é uma atitude. Pessoas contentes não estão a busca de ter mais para estarem mais satisfeitas, elas são alegres com o que tem.

“Estar contente” é um aprendizado. Pessoas contentes aprendem a ser gratos por cada circunstância e por tudo o que é e tem. Elas aprendem a descansar na plena provisão de Deus. Elas sabem que Deus soberanamente determina a sua parte com um propósito definido para Sua glória. Elas também aprendem a ficar feliz com o pouco, porque entendem que cobiça e contentamento se excluem. E por fim, pessoas contentes confiam que Deus vai suprir aquilo que eles necessitam e precisam, e tendo ou não tendo, sempre mantém um coração generoso para ajudar os que necessitam.

E por último, pessoas contentes nunca roubam ou vivem nas garras da corrupção. Eles andam de cabeça erguida e não temem nada, simplesmente porque vivem convictos do princípio de Eclesiastes 4.6 que diz: “Melhor é um punhado de descanso do que ambas as mãos cheias de trabalho e correr atrás do vento”

A vida tem cor, brilho e liberdade para quem vive contente com o que é e tem.

Anúncios

DEPENDER DE DEUS

DEPENDER DE DEUS

Fomos criados para depender de Deus. O primeiro pecado foi um grito de independência de Deus e os resultados continuam até hoje de forma amarga e catastrófica na raça humana.

Em vários trechos da Palavra de Deus somos chamados a depender dEle. Devemos depender de Deus quanto a nossa salvação. Paulo afirmou em Efésios 2.8,9: “Pois vocês são salvos pela graça, por meio da fé, e isto não vem de vocês, é dom de Deus; não por obras, para que ninguém se glorie.” Devemos também depender de Deus quanto a forma de dirigir a vida. Em Tiago 1.5 aprendemos: “Se algum de vocês tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá livremente, de boa vontade; e lhe será concedida.” Na verdade devemos aprender a depender de Deus em tudo e para tudo nessa vida. Em Provérbios 3.5,6 somos advertidos: “Confie no Senhor de todo o seu coração e não se apóie em seu próprio entendimento; reconheça o Senhor em todos os seus caminhos, e ele endireitará as suas veredas.”

Depender de Deus não significa que devemos nos manter inertes ou inativos, ou ainda passivos e irresponsáveis. Depender de Deus significa que nenhuma decisão na vida será tomada sem oração e sem averiguar o que Palavra de Deus diz.

Depender de Deus também não significa agir de forma estúpida. Em Mateus 4.5-7 Jesus não precisou pular do pináculo do Templo para “provar” que dependia totalmente de Deus. Essa seria uma atitude insâna e descabida.

Sendo práticos, demonstramos nossa dependência total de Deus quando, por exemplo, estamos doentes indo ao médico e tomando o medicamento indicado. Ou ainda, quando desempregado organizamos um excelente curriculum e o enviamos as empresas de “RH”, colocamo-o no “linkedin” ou ainda o entregamos diretamente onde desejamos ser empregados. Depender de Deus não nos exime de fazer muito bem nossa parte.

Estamos certos também de que há horas na vida em que não temos mais nada a fazer a não ser nos lançar pela fé nas mãos de Deus. Em Daniel 3 Sadraque, Mesaque e Abede-Nego foram lançados numa fornalha ardente de fogo porque decidiram confiar em Deus e não adorar a estátua construída por Nabucodonozor. Eles foram libertos de forma miraculosa. Mas em Mateus 14, João Batista foi decapitado por dizer a verdade a Herodes, ainda que sua vida sempre estevisse em na plena dependência de Deus.

Deus é honrado quando você depende totalmente dEle. Jesus disse em João 15.5: “…sem Mim, nada podeis fazer.” Por isso, seja lá o que for; seja em que situação estiver; seja o que estiver fazendo ou desejando, dependa totalmente de Deus.

Depender de Deus é a forma mais segura de viver.

OBEDECER É TUDO!

OBEDECER É TUDO!

Em 1 João 2.4,5 lemos: “Aquele que diz: Eu o conheço e não guarda os seus mandamentos é mentiroso, e nele não está a verdade. Aquele, entretanto, que guarda a sua palavra, nele, verdadeiramente, tem sido aperfeiçoado o amor de Deus. Nisto sabemos que estamos nele. ”

Uma dos maiores problemas a fé cristã é a incoerência. Uma pessoa incoerente é aquela que diz uma coisa e faz outra; que age de forma contraditória; que hora afirma algo e depois a nega em palavras e comportamento.

O apóstolo João afirma que “Aquele que diz: Eu o conheço e não guarda os seus mandamentos é mentiroso, e nele não está a verdade. O verbo “conhecer” do texto significa “conhecer por experiência”, “conhecer por intimidade.” A palavra foi usada no Novo Testamento para a intimidade sexual de um casal. Aplicado a Deus, o termo significa que se alguém diz ter intimidade, proximidade e compromisso com Deus, mas não O obedece, é mentiroso, é incoerente e jamais estabeleceu a verdade como um padrão em sua vida.

Deus quer que desenvolvamos um relacionamento íntimo. Esse relacionamento só vem através obediência. É pela obediência a Deus que demonstramos que O amamos. O texto continua dizendo: “Aquele, entretanto, que guarda a sua palavra, nele, verdadeiramente, tem sido aperfeiçoado o amor de Deus. Nisto sabemos que estamos nele.” Quando alguém obedece, o amor por Deus se expressa de forma real, verdadeira e madura. A obediência é a expressão visível e prática do amor a Deus.

Jesus afirmou em João 14.15,21: “Se me amais, guardareis os meus mandamentos…Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado por meu Pai, e eu também o amarei e me manifestarei a ele.” E ainda em João 14.23,24 Jesus continua: “Se alguém me ama, guardará a minha palavra; e meu Pai o amará, e viremos para ele e faremos nele morada…quem não me ama não guarda as minhas palavras…” O amor por Deus não se manifesta em sentimento ou em uma experiência mística. O amor por Deus se manifesta na obediência.

 Deus quer que você O ame e se relacione intimimamente com Ele, mas para isso é necessário que você O obedeça. É sempre importante perguntar: Há alguma área em sua vida que tem sido incoerente e incompatível com a fé que você professa em ter Deus? Há algo em que você não está em plena obediência a Deus?

Lembre que para Deus a obediência é a forma de demonstrar seu amor a Ele . C. S. Lewis afirmou: “A saúde espiritual de um homem é proporcional ao seu amor por Deus.”

Por isso, obedecer a Deus é tudo!

QUANDO OFENDIDO

QUANDO OFENDIDO

Esperamos nessa vida sermos protegidos, queridos, respeitados, honrados e amados. Não gostamos que nos tratem mal. O problema é que somos por vezes ofendidos e ofendemos. Infelizmente essa é uma amostra clara da triste realidade do coração humano. Jesus nos diz em Marcos 7.21: “Porque de dentro, do coração dos homens, é que procedem as maldades…” 

 Mas qual deve ser a reação quando somos ofendidos? Em Provérbios 20.22 somos ensinados a agir da seguinte maneira: “Não diga: “Eu o farei pagar pelo mal que me fez!” Espere pelo Senhor, e ele dará a vitória a você.”

 A primeira verdade do texto é que seremos ofendidos. Pessoas nos farão mal; elas nos machucarão. Essa deve ser a expectativa de todos nós. Pessoas que amamos e outras com quem por vezes não temos nem afinidades ou nem conhecemos, nos ofenderão. Seremos ofendidos.

A segunda verdade é que podemos reagir errado a ofensa. O texto diz que nossa reação pode ser: “Eu o farei pagar pelo mal que me fez!” Que atitude é essa? Essa é uma atitude de vingança! “Ele me fez mal, ele receberá o mal”. Qual o problema dessa atitude? Estamos combatendo a violência com a violência. Jesus ensinou em Mateus 5.38,39: “Ouvistes que foi dito: Olho por olho, dente por dente. Eu, porém, vos digo: não resistais ao perverso; mas, a qualquer que te ferir na face direita, volta-lhe também a outra.” Paulo confirmou esse princípio em Romanos 12.17-18: “Não torneis a ninguém mal por mal; esforçai-vos por fazer o bem perante todos os homens; se possível, quanto depender de vós, tende paz com todos os homens. Não vos vingueis a vós mesmos…” Ofensa se combate com bondade e amor e não com mais ofensa.

E por fim, a terceira verdade do texto é que precisamos apresentar a ofensa ao Senhor e esperar pela ação dEle. O texto diz: “…Espere pelo Senhor, e ele dará a vitória a você.” Não devemos esconder a dor da ofensa recebida. O que não devemos é reagir com vingança, antes devemos entregar ao Senhor. Devemos aprender a contar a Ele nossas dores, frustrações e tristezas. Precisamos aprender a dizer aonde está doendo. Devemos orar a Ele, entregar a Ele e esperar por Ele. Entregar para Deus não é uma atitude passiva, é uma atitude mais sábia e prudente.

Se hoje você tem sido ofendido, pare de retaliar a pessoa que lhe ofende e pare de agir de sua forma. Entregue a pessoas e a situação a Deus. Ele sabe muito bem como lidar.

Lembre-se que o Senhor sempre é educado e polido. Quando você age, Ele não age; ele não invade sua vida. Ele só age quando é solicitado. E se você quiser vê-Lo agir em qualquer área de sua vida, é preciso que você entregue tudo a Ele.

LIDANDO COM OS CONFLITOS

LIDANDO COM OS CONFLITOS

Há uma tendência humana aos conflitos. A verdade é que onde há pessoas os conflitos se multiplicam.

Em Tiago 4.1-3 somos norteados sobre a realidade, a origem e a solução dos conflitos: “De onde vêm as guerras e contendas que há entre vocês? Não vêm das paixões que guerreiam dentro de vocês? Vocês cobiçam coisas, e não as têm; matam e invejam, mas não conseguem obter o que desejam. Vocês vivem a lutar e a fazer guerras. Não têm, porque não pedem. Quando pedem, não recebem, pois pedem por motivos errados, para gastar em seus prazeres.”

Quando Tiago escrevia essa carta, ele se preocupava que a comunidade cristã judaica espalhada pelo mundo aprendesse a viver sem conflitos. É obvio que um conflito pode ser armado devido a diversos fatores, mas Tiago orienta para que cada um saiba muito bem que quanto mais se vive voltado para si, mais os conflitos aparecerão.

Enquanto Tiago descreve a realidade dos conflitos, ele também revela a origem deles. Ele diz: “De onde vêm as guerras e contendas que há entre vocês? Não vêm das paixões que guerreiam dentro de vocês? A fonte de todos os conflitos tem sua origem no coração humano. Os conflitos começam dentro de cada um de nós. O orgulho busca o poder, que gera o ressentimento, que gera a impaciência, que gera o conflito verbal ou físico. E Tiago conclui com uma lógica básica: “Vocês cobiçam coisas, e não as têm; matam e invejam, mas não conseguem obter o que desejam. Vocês vivem a lutar e a fazer guerras…” Assim, nossos conflitos são gerados em cada um de nós na busca de querer “ser” e querer “ter”. E nessa busca de identidade e segurança somos capazes de tudo.

Mas Tiago também aponta a solução para os conflitos. Ele diz: “…Vocês…não têm, porque não pedem. Quando pedem, não recebem, pois pedem por motivos errados, para gastar em seus prazeres.” O remédio para o conflito encontra-se na oracão. Temos que buscar a Deus quanto aos nossos desejos. Deus responde todas as orações. Ele só não responde orações egoístas; orações cujo o foco não é Sua glória mas o ego de quem ora.

Talvez você esteja em conflito com alguém. Talvez “coisas” talvez se tornaram mais importante para você do que Deus e a pessoa envolvida. Isso está muito errado! Por isso, aprenda a colocar tudo diante de Deus em oração e peça para que Ele sonde profundamente as motivações do seu coração.

Antes de obter “coisas”, aprenda a cultivar um verdadeiro espírito de devoção e contentamento. A aprenda a viver o que Jesus ensinou em Mateus 6.33: “Buscai em primeiro lugar o reino de Deus, e as demais coisas serão acrescentadas.”

Lembre-se: se o seu coração ama mais as “coisas” do que Deus e gente, o que lhe espera pela frente é muito conflito.

A SEGUNDA CHANCE

A SEGUNDA CHANCE

A história dos reis de Israel e Judá sempre começa pela frase: “fez o que era bom aos olhos do Senhor”, ou “fez o que era mau diante dos olhos do Senhor.”

Alguns reis foram fiéis a Deus e foram honrados, outros preferiram seguir seus próprios caminhos e foram reprovados por Ele. Os reprovados dificilmente tiveram uma segunda chance, mas o rei Manassés, filho de Ezequias, a teve e se consertou diante de Deus.

Manassés começou a reinar com doze anos de idade e reinou em Jerusalém por cinquenta e cinco anos. Ele fez o que era mau aos olhos do Senhor, com um agravante a mais: ele abusou do mau que praticava.

Tudo o que não prestava era praticado por Manassés. Ele se dedicou inclusive a magia , as adivinhações e foi até ao extremo de praticar sacrifício humano aos deuses estranhos. Em 2 Crônicas 33.6 lemos: “Fez ele também passar seus filhos pelo fogo no vale do filho de Hinom, e usou de adivinhações e de agouros, e de feitiçarias, e consultou adivinhos e encantadores, e fez muitíssimo mal aos olhos do SENHOR, para o provocar à ira.” Manassés é o único rei da Bíblia que mereceu a repetição superlativa de ter feito o que era “muitíssimo” mal aos olhos do Senhor.

Por andar extremamente longe do Senhor, Manassés recebeu um severo cativo: ele foi humilhado, preso e deportado do seu reino em Judá tornando-se cativo na Babilônia. Ao ver o tremendo amargor de sua vida no cativeiro, ali o rei Manassés mudou de atitude. Ele se arrependeu profundamente diante de Deus de suas atitudes, de todo o mal que havia praticado e fez uma sincera oração. O texto bíblico diz 2 Crônicas 33:12: “E ele, angustiado, orou deveras ao SENHOR seu Deus, e humilhou-se muito perante o Deus de seus pais.”  Deus ouviu sua oração e o restaurou totalmente sua vida e seu reino. Ele voltou a Jerusalém e reconheceu que só o Senhor é Deus. Depois de espiritualmente restaurado, Manassés ordenou a Judá servisse ao Senhor Deus de Israel. Deus lhe deu uma nova chance, e ele não a desprezou.

A mudança de atitude é sempre o que Deus quer ver. Quando o coração se mantém humilde diante dEle, independentemente do tamanho do pecado, Ele perdoa e dá a segunda chance. Por que o Senhor faz isso? Porque Ele é misericordioso e compassivo. Deus não resiste a um coração sincero e arrependido.

Hoje, qualquer que seja tipo de vida que você esteja vivendo, e colhendo as consequências de seu pecado contra Deus, há uma só solução: voltar humildemente para Deus como Manassés fez. E quando você faz isso, Deus estará pronto para lhe dar a segunda chance.

Aproveite a dor advinda de seus erros e pecados para se aproximar humildemente de Deus. Ele lhe ouvirá. Mas lembre-se: hoje Ele lhe oferece a segunda chance; talvez nunca mais haverá a próxima.

A PAZ NO MEDO

A PAZ NO MEDO

Medo é o resultado externo de uma turbulência emocional interna. Dizem os estudiosos que há cerca de 200 tipos de medos, alguns são até hilários, como a “retrofobia” (medo de retornar ao trabalho depois de um feriado) ou “alektorofobia” (medo de galinhas). Mas a campeã dos medos é a “monofobia” (medo da solidão).

Os efeitos dos medos são terríveis para a saúde. Eles trazem palpitações, tonturas, suores frios, pânico e depressão. Eles isolam a pessoa, fazendo-o só; eles afetam o sistema autoimune e levam a sérias doenças cardíacas.

Em João 20.19 lemos sobre o medo dos discípulos de Jesus: “Ao cair da tarde daquele primeiro dia da semana, estando os discípulos reunidos a portas trancadas, por medo dos judeus, Jesus entrou, pôs-se no meio deles e disse: “Paz seja com vocês!”

 No final do dia em que Jesus ressuscitou, o primeiro dia da semana, os discípulos se reuniram. Eles se encontram para se apoiarem mutuamente. Ao entrarem na casa, trancaram a porta. Eles estavam com muito medo dos judeus. Esse medo veio depois a crucificação de Jesus. Eles temiam ser também perseguidos. E no meio do medo, Jesus entra pela porta trancada. O Seu corpo ressurreto não estava mais sujeito ou preso às condições normais da vida humana.

E ao entrar as primeiras palavras que lhe saem são: “Paz seja com vocês!” Jesus traz-lhes a paz no meio do medo. Sua presença retornou; não a mais lugar para o medo. Ele conquistou a morte. A paz e a tranquilidade da alma volta a reinar. Sempre onde Jesus está, há paz.

O medo trava nossas vidas. O medo atropela a fé em Deus e lança luz à incredulidade, o rancor, a mágoa, a ingratidão. Onde há o medo, não há uma alma em paz. O medo arruína e devasta.

Deus não quer que você viva uma vida cheia de medos. Existem cerca de 365 passagens na Bíblia com a frase: “Não temas”. Uma para cada dia do ano.

A Bíblia diz em 1 João 4.18: No amor não há medo; pelo contrário o perfeito amor expulsa o medo, porque o medo supõe castigo. Aquele que tem medo não está aperfeiçoado no amor.” Em 1 João 4.16 lemos que “Deus é amor” Assim, quando estamos cientes da pessoa, da presença e do poder do Deus de amor, não há espaço para o medo. Quanto mais seu coração preencher de Deus, menos medo você terá. Você pode estar temendo uma situação na qual não tem controle, mas o Deus de amor tem todo o controle.

Se você está com medo de algo, como aqueles discípulos estavam, vá a Jesus e receba a Sua paz. Vá a Ele e desfrute de Sua paz. Ouça também a Sua voz: “Paz seja com vocês!” Só Ele traz a paz no medo.