“OS LIMPOS DE CORAÇÃO”

Jesus afirmou em Mateus 5.8: “Felizes os limpos de coração, porque eles verão a Deus.”

O “coração” é um termo bíblico para a “vida interior”; para a pessoa por dentro.
Tudo começa por dentro. Alguns acreditam erradamente que quando algo muda por fora, tudo mudará por dentro, e por isso investem tanto no guarda-roupa, no corpo, na aparência, ou na mudança para uma outra cidade ou país, mudança de emprego, a busca de um outro cônjuge, etc.

O problema é que há muitos conceitos errados dentro da pessoa que intoxicam a vida. Há um “lixo” interior que precisa ser removido. Há uma podridão moral que infecta a vida e a faz “cheirar mal”.

Os “felizes” – segundo Jesus – passaram por uma purificação interior, que se opunha a uma purificação exterior, exigida pela religião judaica. “Os puros de coração” entenderam seus pecados e correram desesperadamente para que Deus os purifique e perdoe.

E como vivem agora? Eles são transparentes na vida pública e particular; seus pensamentos, motivações são puros diante de Deus, das pessoas e de si mesmos. Eles não vivem mais na hipocrisia, falsidade, dissimulação e mentira.

E o resultado? Jesus afirma que eles “verão a Deus.” Por quê? Porque Deus é santo, totalmente separado do pecado e somente os que são purificados por Ele o “verão” agora e no futuro.

Se você quer que sua vida realmente mude, pare de fazer tentativas externas. Achegue-se a Deus e permita que Ele faça uma “santa faxina” interna; dentro de seu coração.

Ore como Davi orou no Salmo 51.2,10: “Lava-me completamente da minha iniquidade e purifica-me do meu pecado…Cria em mim, ó Deus, um coração puro e renova dentro de mim um espírito inabalável.”

Responda: O seu coração está limpo diante de Deus? Você já fez uma faxina interior conforme Ele deseja?

Anúncios

O DISCÍPULO DE JESUS

Não nos tornamos discípulos de Jesus porque freqüentamos uma igreja ou participamos de suas atividades. A vida religiosa não faz ninguém discípulo de Jesus. Os termos para se tornar um discípulo foi bem definido por Jesus em Lucas 14:26,27. Ele diz: “Se alguém vem a mim e ama seu pai, sua mãe, sua mulher, seus filhos, seus irmãos e irmãs e até sua própria vida mais do que a mim, não pode ser meu discípulo. E aquele que não carrega sua cruz e não me segue não pode ser meu discípulo.”

Se tornar um discípulo de Jesus é sempre um projeto pessoal e voluntário de vida. Quem decide se tornar discípulo de Jesus se dispõe a romper com laços familiares, com a própria vida, e foca em seguir a Ele, viver para Ele e sofrer por Ele.

O discípulo de Jesus tem como lema e meta obedecer a Ele. Ele deseja ouvir a Sua Palavra e a praticar. Ele abre mão definitivamente de seus “achismos” e se submete aos ensinos do Mestre. O discípulo de Jesus entende que obedecer é a forma mais objetiva de amar a Jesus. O Senhor Jesus afirmou em João 15.10: “Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor…”

Não se engane! Se você é um discípulo de Jesus, você está disposto em pagar o preço para segui-Lo e viver em obediência a Ele. Você realmente meditará com seriedade nas palavras do Senhor Jesus em Lucas 6:46: “Por que me chamais Senhor, Senhor, e não fazeis o que vos mando?”

Quem decide seguir a Jesus centra sua vida totalmente nEle. Zac Poonen afirmou: “Deus deve ser o primeiro e o último pensamento na vida de cada discípulo de Jesus…”

Baseado nesses princípios, você é realmente um verdadeiro discípulo de Jesus?

UMA ALMA SAUDÁVEL

Saúde e bem-estar são os alvos de muita gente. Consultórios e academias vivem lotados. É impressionante como mantemos a disciplina com o corpo e de alguma forma não consideramos o cuidado com a alma. Paulo afirmou em Romanos 14.17: “O reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, paz e alegria no Espírito Santo.”

Em primeiro lugar, a alma torna-se saudável por se alimentar somente de Jesus. Ele é o alimento principal da alma. Jesus afirmou em João 6.35: “…Eu sou o pão da vida; o que vem a mim jamais terá fome; e o que crê em mim jamais terá sede.” É preciso vir, crer e centrar a vida nEle.

Em segundo lugar, a alma torna-se saudável por se alimentar diariamente da Palavra de Deus. Em Mateus 4.4, lemos: “…Não só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus.” A alma torna-se saudável por ler, ouvir, estudar e acima de tudo, praticar a Palavra de Deus.

Em terceiro lugar, uma alma torna-se saudável por jogar fora as “toxinas” espirituais. Ninguém se manterá espiritualmente saudável mantendo em seu coração orgulho, egoísmo, inveja, amargura, sentimento de vingança, ódio, impureza sexual, pensamentos maus, etc. Uma alma nutrida leva em conta a confissão dos pecados. Em 1 João 1.9 lemos: “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça.”

John Ortberg afirmou: “Se uma alma está funcionando mal, as vontades, os desejos, os valores, o comportamento, e os pensamentos estarão constantemente em guerra.”

Sua alma torna-se saudável por priorizar a Jesus e viver como Ele viveu, por ouvir e obedecer Sua Palavra e por tratar seriamente o pecado.

Decida manter sua alma saudável.

“…QUÃO FRÁGIL SOU…”

Davi reconheceu sua fragilidade ao dizer no Salmo 39:4: “Mostra-me, Senhor, o fim da minha vida e o número dos meus dias, para que eu saiba quão frágil sou.”

Davi estava interessado em saber sobre seu fim. Ele desejava saber sobre os finais de seus dias e sobre sua própria morte. Por quê? Porque ele queria viver no entendimento claro e simples de que Ele era apenas um ser humano frágil e limitado. E foi na busca desse entendimento que ele aprendeu o poder pleno da oração e dependência de Deus.

O orgulho não permite que enxerguemos o quanto somos limitados e finitos. Vivemos tentando nos enganar. É horrível aceitar que não temos o controle de nada; que não podemos assegurar nem a nossa própria segurança e muito menos nos auto curar diante da doença. Nossa fragilidade nos choca.

O pior é que achamos que podemos ludibriar nossa fragilidade com mais um gole, mais uma picada, mais uma festa, mais uma gargalhada hipócrita, mais uma noitada ou mais alguma outra coisa. Negamos inutilmente nossa fragilidade e nos abrimos para outras dores da vida.

Deus espera que você seja humilde e reconheça suas fragilidades e limites. Ele deseja que você dependa dEle. Ele deseja que você o busque em oração. Quando Paulo aprendeu a depender totalmente de Deus, ele afirmou: “…Quando sou fraco, é que sou forte.”

Então, pare de se autodirigir e fazer o que quer de sua vida. Pare de se enganar achando que sabe tudo, entende tudo e pode tudo. Reconheça descaradamente suas limitações. Venha ao Senhor! Venha com um coração totalmente dependente dEle, porque Ele apenas se revela aos humildes, quebrantados, fracos, e a todos os que decidiram depender e confiar nEle.

Que a oração de Davi seja sempre a nossa: “Senhor… quão frágil sou.”

A REALIDADE DO CÉU

A Bíblia ensina sobre o céu. O céu é um lugar real. Jesus após sua ressurreição, ficou ainda quarenta dias com seus discípulos. No final desse período Ele subiu aos céus literalmente. Atos 1.9 diz que: “…foi Jesus elevado às alturas, à vista deles, e uma nuvem o encobriu dos seus olhos.”

Estevão, quando de sua morte, viu o céu. Em Atos 7.56 ele afirma o seguinte: “Eis que vejo os céus abertos e o Filho do Homem, em pé à destra de Deus.” Estevão vê um local real e físico onde estava a pessoa perfeita de Jesus, o Filho, ao lado de Deus, o Pai.

Em Apocalipse 4.1, o apóstolo João viu o céu. Ele afirma:“Depois destas coisas, olhei, e eis não somente uma porta aberta no céu…”

O apóstolo Paulo teve uma visão dos céus em 2 Coríntios 12.1-3. Ele afirma: “Conheço um homem em Cristo que, há catorze anos, foi arrebatado até ao terceiro céu e sei que o tal homem foi arrebatado ao paraíso e ouviu palavras inefáveis, as quais não é lícito ao homem referir.”

O céu é real, mas há apenas um caminho para se chegar até ele: Jesus Cristo. Em João 14.6 Jesus afirma: “…Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim.” Jesus assegura que todos os que nEle crer estarão nos céus após a morte. Em João 11.25,26, Ele diz: “Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá; e todo o que vive e crê em mim não morrerá, eternamente…”

Sendo assim, baseado na Palavra de Deus, o céu é o lugar que você estará após a sua morte?

UMA BOA REPUTAÇÃO

Salomão afirmou em Provérbios 22.1: “A boa reputação vale mais que grandes riquezas; desfrutar de boa estima vale mais que prata e ouro.” Esse versículo ensina que a reputação é algo importante para a vida. Ter o respeito e o carinho dos outros é um bem inestimável.

Nesse texto também, Salomão exorta seu filho a valorizar a boa reputação mais do que fama, status, glamour, sucesso, dinheiro, posses ou bens. Seu foco primário era ajudar seu filho a fugir de toda decisão insensata que poderia no fim comprometer o seu nome e caráter.

Algumas pessoas adquiriram uma boa reputação porque decidiram ser guiados pelos princípios de Deus. Eles priorizaram o que Deus prioriza e viveram centrados nas virtudes e valores que Ele ensina em Sua Palavra. José e Daniel – e tantos outros – são exemplos bíblicos de pessoas altamente consideradas com um estilo de vida irrepreensível.

Você se engana totalmente quando acha que Deus não tem interesse em sua reputação diante das pessoas. Você não pode agradar a Deus e ofender as pessoas ao mesmo tempo.

A Bíblia exalta a boa reputação. Mas você dá valor a ela? Quão importante ela é para você? Até que ponto você está realmente comprometido com sua reputação?

Pense em edificar uma boa reputação. A boa reputação é sempre o resultado de escolhas diárias, e você deve construi-la e preservá-la mais do que qualquer outro projeto ou objetivo de vida.

Warren Buffet, um dos homens mais ricos e influentes no mundo, conhece a sabedoria desse provérbio e ensina aos outros, dizendo: “São necessários vinte anos para se construir uma reputação e cinco minutos para arruiná-la. Se você pensar sobre isso, você fará as coisas de forma diferente.”

Lembre que você passará, mas somente sua reputação será lembrada por muitos.

RESPONDENDO ÀS CRISES

Em Atos 4, Pedro e João passaram por uma grande crise. Eles foram presos por proclamar Jesus ao povo. Nos versículos 29-31, depois de soltos, eles se reuniram com os demais irmãos e oraram dizendo: “Agora, Senhor, considera as ameaças deles e capacita os teus servos para anunciarem a tua palavra corajosamente. Estende a tua mão para curar e realizar sinais e maravilhas por meio do nome do teu santo servo Jesus.”

Como Pedro e João puderam responder em louvor a Deus no meio de uma crise tão severa? Como eles conseguiram reagir assim?

Em primeiro lugar porque as convicções que Pedro e João tinham sobre Jesus eram reais, práticas e vívidas. A resposta à uma crise é em grande parte determinada por aquilo que é o fundamento da fé. Quando sua fé está alicerçada em Cristo, você enfrentará qualquer crise.

Em segundo lugar Pedro e João criam que diante da crise eles não podiam deixar de fazer o que tinha quer ser feito, por isso oraram: “..capacita os teus servos para anunciarem a tua palavra corajosamente.” Quando sua fé está plenamente em Cristo, você não permite que sua vida pare por causa da crise; você prossegue fazendo o que precisa ser feito.

E por último, Pedro e João criam também que a manifestação do poder de Deus era mais importante do que o conforto deles, e por isso oraram dizendo: “…Estende a tua mão para curar e realizar sinais e maravilhas por meio do nome do teu santo servo Jesus”. Quando sua fé está em Cristo, você sempre desejará que Deus seja glorificado mais do que a busca de conforto próprio.

As crises virão sobre sua vida e talvez você não poderá muda-las. Contudo, você pode decidir como responderá a elas. Decida hoje respoder às crises com fé, confiança e ousadia no Senhor.