EM DESESPERO

Desespero é um sentimento de desesperança, angústia e aflição, aliado a um profundo desânimo e descrença em tudo e todos.

Em 2 Coríntios 1-8-11, Paulo conta-nos sobre sua experiência com o desespero. Ele diz: “Porque não queremos, irmãos, que ignoreis a natureza da tribulação que nos sobreveio na Ásia, porquanto foi acima das nossas forças, a ponto de
desesperarmos até da própria vida. Contudo, já em nós mesmos, tivemos a sentença de morte, para que não confiemos em nós, e sim no Deus que ressuscita os mortos; o qual nos livrou e livrará de tão grande morte; em quem temos esperado que ainda continuará a livrar-nos, ajudando-nos também vós, com as vossas orações a nosso favor…”

Paulo diz que o desespero tem sua origem nas circunstâncias difíceis da vida, as quais ele as chama de “provações”. Como Paulo, precisamos saber qual é o origem do nosso desespero e encara-lo de frente.

Paulo também aponta que alguns tipos de circunstâncias nos levam ao desespero a ponto de querermos desistir de viver. Ele diz: “…porquanto foi acima das nossas forças, a ponto de desesperarmos até da própria vida.”

Paulo nos ensina que em nosso desespero devemos ir urgentemente a Deus e confiar nEle. Ele diz: “… tivemos a sentença de morte, para que não confiemos em nós, e sim no Deus que ressuscita os mortos; o qual nos livrou e livrará de tão grande morte; em quem temos esperado que ainda continuará a livrar-nos…”

Paulo ainda nos ensina que no desespero devemos buscar apoio e ajuda de outros, especialmente de suas orações. Ele afirma: “…ajudando-nos também vós, com as vossas orações a nosso favor…”

Se hoje você está desesperado fale abertamente com Deus sobre seus dilemas, enquanto entra em contato urgente para que alguém lhe ajude em oração.

Não se desespere no desespero.

Anúncios

REAGINDO ÀS ACUSAÇÕES

Durante boa parte do ministério de Jesus, seus oponentes o observavam em tudo com o fim de acusá-lo. Lucas 11.53,54 afirma que “…passaram os escribas e fariseus a argui-lo com veemência, procurando confundi-lo a respeito de muitos assuntos, com o intuito de tirar das suas próprias palavras motivos para o acusar.”

A última e fatal cartada de acusação que seus opositores fizeram, foi perante Pilatos. Mateus 27.12,14 afirma que Jesus quando foi “acusado… nada respondeu… de modo que o governador ficou muito impressionado.”

Jesus diante das acusações manteve silêncio. Por que Ele reagiu assim? Primeiro, porque sua consciência não o acusava de nada, nem diante de Deus e nem diante dos homens. Segundo, porque Ele sabia que no plano eterno do Pai era necessário passar por toda maldade de seus opositores. Terceiro, para se solidarizar com aqueles que são acusados injustamente.

Diferente do Senhor Jesus, algumas acusações contra nós podem proceder. Contudo podemos também ser alvos de acusações injustas. É preciso refletir sobre a origem e de quem procede as acusações.

As acusações contra você são justas ou injustas? Se são justas, peça perdão a Deus e a quem ofendeu. Caso sejam injustas, aja como Jesus: mantenha silêncio e deixe Deus tratá-las para você.

As acusações sempre são testes que revelam seu estado espiritual. Porque se você for acusado justamente e resolve ignorar, o pecado do orgulho aparece. Mas se for acusado injustamente e deixar que Deus trate, Ele verá Jesus em você e honrará sua humildade.

Saiba reagir corretamente diante das acusações.

AME A DEUS!

Jesus afirmou em Mateus 22.37-38: “Ame o Senhor, o seu Deus, de todo o seu coração, de toda a sua alma e de todo o seu entendimento. Este é o primeiro e maior mandamento.”

O que o Senhor Jesus quer dizer nessas palavras é que nosso amor e nossa adoração a Deus precisam ser algo exclusivo e prioritário.

Devemos amar a Deus em tudo o que somos, temos e nos tornamos. O fim gracioso de todo o ser humano é amar a Deus. Nada deve ocupar mais nossa atenção do que Ele. Ele precisa ser o supremo, recebendo devoção exclusiva. Se assim não o for, seremos idólatras.

Idolatria tem a ver com o que amamos mais do que Deus. Idolatria é o que e a quem amamos, devotamos tempo, recursos e esforços. O que amamos ocupa nossas motivações, desejos, pensamentos, palavras e ações. João Calvino afirmou: “Cada um de nós, desde o ventre de nossas mães somos artesãos de ídolos.” Idólatras usam a Deus para alcançar o que desejam.

Idolatria é mais do que render-se a um ídolo feito por mãos humanas. Idolatria significa devotar amor completo àquilo ou àquele que se tornou o centro de tudo. Idolatria significa colocar a esperança e confiança em algo ou alguém que não seja o Senhor.

Tudo o que você ama, deseja, espera e confia mais do que Deus é idolatria. Tudo o que você procura para ser feliz, realizado e ter significado, fora de Deus é idolatria.

Se você não entender onde estão os seus ídolos, você não buscará arrependimento e mudança verdadeira.

O que Jesus deseja é que você ame a Deus. Se Ele for a maior prioridade de sua vida todo o resto terá o devido lugar.

Abandone a idolatria. Ame a Deus!

OUSADOS EM DEUS

Hananias, Misael e Azarias se tornaram cativos em Babilônia. Na Babilônia suas vidas foram extremamente mudadas. Seus nomes foram mudados, suas roupas foram mudadas e seu idioma foi mudado. A Babilônia os mudou em muitas coisas, mas não conseguiu mudá-los em seus valores e convicções espirituais.

No capítulo 3 de Daniel, o rei Nabucodonosor construiu uma grande estátua de ouro e mandou que todos a adorassem. Mas esses homens não a adoraram.

Nabucodonosor ficou indignado e mandou chamá-los. Em Daniel 3.14,15, o rei disse o seguinte: “…É verdade…que vós não servis a meus deuses, nem adorais a imagem de ouro que levantei? Agora, pois, estai dispostos…prostrai-vos e adorai a imagem que fiz?… porém, se não a adorardes, sereis, no mesmo instante, lançados na fornalha de fogo ardente. E quem é o deus que vos poderá livrar das minhas mãos?”

A essa palavra, esses ousados homens disseram nos versículos 16-18: “Ó Nabucodonosor, quanto a isto não necessitamos de te responder. Se o nosso Deus, a quem servimos, quer livrar-nos, ele nos livrará da fornalha de fogo ardente e das tuas mãos, ó rei. Se não, fica sabendo, ó rei, que não serviremos a teus deuses, nem adoraremos a imagem de ouro que levantaste.”

Esses homens se dispuseram a não só defender suas convicções de fé, mas morrerem por elas. Furiosamente eles foram lançados na fornalha ardente, mas porque foram ousados em Deus, Ele graciosamente os salvou.

Hoje, mais do que nunca, precisamos urgentemente de pessoas ousadas, corajosas, audaciosas, intrépidas e destemidas em Deus. Pessoas dispostas a ir adiante em suas convicções, prontas a sofrerem retaliações e ousados em dizer “não” para o pecado e o mundo, e “sim” para Deus.

Você será uma delas? Você está pronto para ser ousado em Deus e confiar nEle quanto às consequências?

AS BENÇÃOS DE DEUS

Em Números 6.23-26 Moisés ordenou a Arão e aos seus filhos que abençoassem os israelitas, dizendo: “O Senhor te abençoe e te guarde; o Senhor faça resplandecer o seu rosto sobre ti e te conceda graça; o Senhor volte para ti o seu rosto e te dê paz.”

A “bênção araônica”, assim chamada, contém as três bênçãos principais de Deus para uma vida.

A primeira bênção é a proteção de Deus. O texto diz, “O Senhor te abençoe e te guarde…” Somos todos vulneráveis e desprotegidos. Vivemos constantemente diante do perigo do mal. Precisamos urgentemente da proteção de Deus.

A segunda bênção é o favor gracioso de Deus. O texto diz: “…o Senhor faça resplandecer o seu rosto sobre ti e te conceda graça…” Somos cheios de pecados, falhas e erros. Precisamos nos voltar para Ele; e quando assim o fazemos, Ele nos favorece. Ele nos recebe por Sua graça.

A terceira bênção é a paz de Deus. O texto diz: “…o Senhor volte para ti o seu rosto e te dê paz.” Somos todos abatidos por notícias que tendem a nos tirar o equilíbrio emocional. Somente Deus pode pacificar-nos quando o incontrolável chega à vida.

É em Jesus que todas essas bênçãos estão hoje disponíveis a cada um de nós. Ele é o bom pastor que protege. Ele é o Salvador que demonstrou o favor do Pai ao morrer na cruz pelos nossos pecados. Ele é a paz que precisamos diante dos problemas e dilemas da vida. Ele é que diz: “Vinde a mim… e eu vos aliviarei…”

Todas as bênçãos de Deus estão em Jesus. Ele é a proteção, salvação e paz  que você precisa hoje e eternamente. Essas bênçãos estão disponíveis caso você venha a Ele.

Suplique a Ele Suas bênçãos, e você as terá.

“ESPINHO NA CARNE”

Paulo em 2 Coríntios 12.7 enfrentava as dores do “espinho na carne”. Nem ele e nem ninguém poderia tirar os sofrimentos internos que tudo isso lhe causava. O mais chocante nessa história toda é que após orar nem o próprio Deus o tirou.

Paulo não interpretou que Deus fosse mau ou insensível por não tirar o seu “espinho na carne”. Ele confiava em Deus e sabia que havia algo maior e melhor. O próprio Deus a seu tempo lhe respondeu no versículo 9, dizendo: “Minha graça é suficiente para você, pois o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza…”

Paulo então, com plena resignação e submissão aos planos amorosos do soberano e querido Deus, afirma dizendo no versículo 10: “Por isso, por amor de Cristo, regozijo-me nas fraquezas, nos insultos, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias. Pois, quando sou fraco é que sou forte.”

Nada pode ser mais reconfortante do que saber que há um Deus amoroso que não só permite o “espinho na carne”, pelo qual nos dará a oportunidade de agir por fé nEle, como também nos deixará livres caso queiramos nos revoltar contra ele. Porque certo é o ditado: “O sol que derrete a cera, endurece o barro.”

Deus sempre usa o “espinho na carne” para que sua fé seja sólida nEle. Lembre-se que Ele permanecerá presente com você dando-lhe Seu poder, força, graça e consolo em qualquer situação. Sua escolha é confiar ou duvidar dEle.

Charles Spurgeon afirmou: “Mantenha sua atenção simplesmente sobre Jesus. Deixe que Sua morte, Seus sofrimentos, Seus méritos, Suas glórias, Sua intercessão fiquem sempre frescos em sua mente. Quando você acordar pela manhã, olhe para Ele; quando você se deitar à noite, olhe para Ele… Siga fortemente com Ele; Ele nunca falhará com você.”

Deus está com e por você em seu “espinho na carne”.

OS COMUNS

Em Atos 9, temos a conversão de Saulo. Saulo era um líder fariseu fervoroso e intenso. Ele esteve presente na morte do primeiro mártir da igreja cristã, Estevão. Ele também tornou-se um perseguidor ferrenho dos primeiros cristãos, indo a Damasco para prendê-los. Mas na estrada ele teve uma visão de Jesus, ficou cego e se converteu.

Após a sua conversão, Jesus enviou um homem chamado Ananias para visitá-lo. Em Atos 9.15 Jesus disse o seguinte a Ananias: “…Vá! Este homem é meu instrumento escolhido para levar o meu nome perante os gentios e seus reis, e perante o povo de Israel.” Ananias obedeceu ao Senhor. Ele procurou Saulo e orou com ele; a visão e a vida de Saulo foram restauradas.

Há algo muito interessante nessa história. Para ministrar ao novo convertido, Saulo, Deus não enviou nem o apóstolo Pedro e nem João. Ele chamou um homem comum, Ananias. Ananias não escreveu nenhum livro do Novo Testamento e possivelmente nem pregou nenhum sermão notável. Mas ele, pela fé, obedeceu a Deus e cuidou espiritualmente de Saulo que se tornou Paulo. Paulo sim, fez o que nenhum outro fez em benefício do Evangelho de Jesus no mundo. Tudo isso aconteceu na vida de Paulo graças a um homem comum chamado Ananias.

Você talvez se sinta uma pessoa “comum” no reino de Deus. Saiba, que como Ananias, você também tem grande valor para Deus. O Senhor apenas espera que você seja fiel e obediente a Ele. Ele deseja lhe usar. Talvez não seja para coisas grandes, mas talvez para ser um início de grandes coisas em Seu reino.

A simples obediência a Deus de uma pessoa comum pode fazer toda a diferença hoje, amanhã e eternamente.