OS COMUNS

Em Atos 9, temos a conversão de Saulo. Saulo era um líder fariseu fervoroso e intenso. Ele esteve presente na morte do primeiro mártir da igreja cristã, Estevão. Ele também tornou-se um perseguidor ferrenho dos primeiros cristãos, indo a Damasco para prendê-los. Mas na estrada ele teve uma visão de Jesus, ficou cego e se converteu.

Após a sua conversão, Jesus enviou um homem chamado Ananias para visitá-lo. Em Atos 9.15 Jesus disse o seguinte a Ananias: “…Vá! Este homem é meu instrumento escolhido para levar o meu nome perante os gentios e seus reis, e perante o povo de Israel.” Ananias obedeceu ao Senhor. Ele procurou Saulo e orou com ele; a visão e a vida de Saulo foram restauradas.

Há algo muito interessante nessa história. Para ministrar ao novo convertido, Saulo, Deus não enviou nem o apóstolo Pedro e nem João. Ele chamou um homem comum, Ananias. Ananias não escreveu nenhum livro do Novo Testamento e possivelmente nem pregou nenhum sermão notável. Mas ele, pela fé, obedeceu a Deus e cuidou espiritualmente de Saulo que se tornou Paulo. Paulo sim, fez o que nenhum outro fez em benefício do Evangelho de Jesus no mundo. Tudo isso aconteceu na vida de Paulo graças a um homem comum chamado Ananias.

Você talvez se sinta uma pessoa “comum” no reino de Deus. Saiba, que como Ananias, você também tem grande valor para Deus. O Senhor apenas espera que você seja fiel e obediente a Ele. Ele deseja lhe usar. Talvez não seja para coisas grandes, mas talvez para ser um início de grandes coisas em Seu reino.

A simples obediência a Deus de uma pessoa comum pode fazer toda a diferença hoje, amanhã e eternamente.  

UM NOVO RUMO

Numa manhã, quando Alfred Nobel estava lendo o jornal, ficou chocado ao encontrar seu nome listado na coluna de obituários. Foi um erro, mas estava lá.  Ele ficou atordoado ao ver que ele foi principalmente lembrado como o homem que inventara a dinamite. Naquela época da história, a dinamite fora usada com grande efeito para a guerra. Isso afligiu grandemente Nobel,  que parou para pensar que tudo o que ele um dia seria lembrado é por ter inventado algo que matava as pessoas. Nobel então decidiu mudar o curso de sua vida. Ele se comprometeu com a paz mundial e estabeleceu o que conhecemos hoje como o Prêmio Nobel da Paz. Quando o nome dele  é mencionado hoje, a dinamite raramente é a primeira coisa que vem à mente das pessoas.  Em vez disso, pensamos no prêmio que tem seu nome. Tudo isso aconteceu porque Alfred Nobel decidiu dar um novo rumo à vida.

Paulo testemunhou sobre si mesmo em 1 Timóteo 1.12,13: “Dou graças a Cristo Jesus, nosso Senhor, que me deu forças e me considerou fiel, designando-me para o ministério, a mim que anteriormente fui blasfemo, perseguidor e insolente; mas alcancei misericórdia…”

Antes de Paulo se tornar Paulo, seu nome era Saulo. Ele estava determinado em parar a propagação do cristianismo. Mas ele foi dramaticamente convertido a Cristo na estrada de Damasco. A partir daí dedicou o resto de sua vida a pregar o evangelho de Jesus. Hoje nos lembramos dele como um grande missionário, teólogo e escritor (Ele escreveu 13 cartas em todo o Novo Testamento). Paulo é lembrando pelo novo rumo de sua vida.
  

Caso você leia hoje seu próprio obituário, do que você acha que as pessoas se lembrariam?

Nunca é tarde demais para dar um novo rumo à sua vida.

PREJUÍZO NOS NEGÓCIOS

Em Mateus 8.34 há um episódio interessante. O texto afirma: “Toda a cidade saiu ao encontro de Jesus e, quando o viram, suplicaram-lhe que saísse do território deles.”

Aquela cidade pertencia a região de Gadara. Viviam nela dois homens extremamente dominados e oprimidos por forças demoníacas. Esses homens imprimiam um forte terror social. A sociedade os temia.

Mas quando Jesus chegou ali, aqueles demônios foram expulsos. Antes de sair, eles suplicaram a Jesus que fossem mandados para uma manada de porcos. Jesus permitiu.

Depois desse milagre tremendo, esperava-se que a cidade toda dissesse: “Esse Jesus é maravilhoso…Ele é tudo o que precisamos…obrigado Jesus por ter vindo a nossa cidade…se Ele fez o que fez na vida desses dois homens, imagina o que poderia fazer em nossas vidas?” Mas infelizmente não foi nada disso que aconteceu.

A cidade toda pediu que Jesus fosse embora. Por quê? Porque a presença de Jesus foi um péssimo negócio para eles. Um rebanho imenso de suínos atravessou um penhasco e morreu. Eles tiveram um grande prejuízo financeiro. Para eles, se Jesus continuasse na região haveria um sério problema econômico. Então o convite foi: “Jesus, vá embora!” Ele se foi!

Para algumas pessoas, Jesus é muito ruim para seus negócios; especialmente para aqueles que tentam ludibriar e entreter o sofrimento humano.

Jesus nunca forçará Seu caminho, nem para você e nem para ninguém. Mas o certo é que sem Ele a vida continuará um inferno; sem rumo e muito difícil.

O sábio e o certo a se fazer é o seguinte: Se Jesus é precioso para você, mas se em algum momento Ele se tornou um grande prejuízo para os seus negócios, o melhor mesmo seria ir atrás de um outro emprego.

BUSQUE A DEUS!

Em Atos 17.27-29, Paulo estava em Atenas, no areópago. No meio dos mestres da arte e da sabedoria grega, ele afirmou o seguinte: “Deus fez isso para que os homens o buscassem… Pois nele vivemos, nos movemos e existimos… Assim, visto que somos descendência de Deus, não devemos pensar que a Divindade é semelhante a uma escultura de ouro, prata ou pedra, feita pela arte e imaginação do homem.”

Paulo deixa bem claro que Deus é a causa primeira de tudo. Em Romanos 1.19,20 ele declara: “Pois o que de Deus se pode conhecer é manifesto entre eles, porque Deus lhes manifestou. Pois desde a criação do mundo os atributos invisíveis de Deus, seu eterno poder e sua natureza divina, têm sido vistos claramente, sendo compreendidos por meio das coisas criadas, de forma que tais homens são indesculpáveis.”

Deus se revelou a toda humanidade por criar e sustentar o universo. Essa deve ser a razão principal pela qual todos os homens devem buscar a Deus.

O problema dos gregos era que eles estavam adorando deuses errados. Eles esperavam e confiavam suas vidas em seus panteões de deuses.

Hoje nossos ídolos são outros. Prestamos culto e adoramos a ira, o orgulho, a sensualidade, a avareza, a ambição, a intelectualidade, a capacidade, a ciência, a arte, a cultura, a religião, o dinheiro, o marido, a esposa, os filhos, os bens, etc.

Deus espera que você troque, abandone seus ídolos, e O busque. Ele espera que você vá a Ele pelo jeito dEle. O Seu jeito chame-se, Jesus. Jesus mesmo diz em João 14.6: “…Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai, a não ser por mim.”

Busque a Deus!

PRECISAMOS DE DEUS?

A comunidade naturalista científica mundial zomba da ideia de que há um Deus, e que seres humanos têm uma alma, algum componente espiritual ou um propósito em ser. Ela acredita que tudo pode ser validado por reações químicas. Ela afirma que os seres humanos são apenas o resultado aleatório de processos bioquímicos e de uma seleção natural. O motivo central pelo qual existimos é simplesmente para propagar os genes. Ainda que essa teoria seja bem articulada, na prática, não nos sentimos confortáveis com essa linha de pensamento.

Em Atos 17, Paulo esteve no Areópago em Atenas, e vendo ali o panteão de deuses dos atenienses, encontrou dentre eles um que dizia: “ao deus desconhecido”. Tomando essa frase, Paulo então expôs as verdades sobre Deus, apresentadas nos versículos 24 a 28: ” O Deus que fez o mundo e tudo o que nele há é o Senhor dos céus e da terra, e não habita em santuários feitos por mãos humanas. Ele não é servido por mãos de homens, como se necessitasse de algo, porque ele mesmo dá a todos a vida, o fôlego e as demais coisas. De um só fez ele todos os povos, para que povoassem toda a terra… Pois nele vivemos, nos movemos e existimos.”

Crer que somos apenas uma sacola bioquímica, iludidos pela moralidade e na busca de um propósito de vida, alimenta não só um cinismo e pessimismo quanto ao ser humano, mas pior, alimenta ainda ideias anarquistas, aquelas que desrespeitam claramente o ser humano e que abrem oportunidades para o conceito de superioridade de raça ou cultura, enquanto na prática, vidas são mortas em um “holocausto”, por armas químicas, uma faca, uma arma, uma bomba, etc.

Precisamos de Deus? Sim! Ainda que não se perceba e nem queira. Fugir dessa necessidade e realidade, é simplesmente alimentar o caos.  

AS ESCOLHAS

Em Filipenses 3.7 Paulo afirma: “Mas o que para mim era lucro, isto considerei perda por causa de Cristo.”

Nesse texto o apóstolo Paulo cria que em um determinado tempo em sua vida houve um  lucro externo e social em seu estilo de vida, em sua religiosidade, capacidade e oportunidades. Mas num certo dia ele escolheu dizer “não” a tudo por causa de Jesus. Ele considerou Jesus o mais importante.

Todos os dias fazemos escolhas. Fazemos escolhas certas e erradas. As escolhas certas levam em conta o que Deus deseja e quer. As escolhas erradas levam em conta o que queremos e desejamos e que estão totalmente desalinhadas com os propósitos dEle. São escolhas que não tem qualquer valor eterno.

Todas as nossas escolhas revelam o que realmente valorizamos. Revelam quem somos; o nosso caráter. Elas mostram o quanto Deus e seus princípios são ou não são importantes para nós.

Em Jesus vemos o padrão das escolhas certas. Comumente escolhemos por glória, fama e glamour, mas Ele escolheu se humilhar. Escolhemos por prazer egoísta, mas Ele escolheu pelo sofrimento altruísta. Escolhemos pela autoproteção, mas Ele escolheu se entregar na cruz pelos nossos pecados. Escolhemos pelo controle de tudo, mas Ele decidiu viver em plena e total confiança no Pai.

Como andam suas escolhas? Qual é o motivador central de suas escolhas? Suas escolhas levam em conta o que Deus pensa?

Faça suas escolhas pelo padrão de Deus. Pode ser difícil, duro e inadequado para a sociedade, para a família, para os amigos, para muita gente, etc., mas escolha pelo o que agrada a Deus.

Andar com uma consciência limpa e fazer o que é agradável diante de Deus e das pessoas é um descanso para alma, e não tem preço.

CONSIDERE ORAR

Muitos estão lutando seriamente com vícios, impaciência, ira, frustração, dúvidas, ansiedade, etc. Nessas lutas da vida se considera de tudo, menos orar ao Senhor.

A Bíblia está repleta de exemplos de pessoas que consideraram orar ao Senhor com seriedade diante das batalhas de suas vidas. Elas buscaram a Deus com insistência e persistência e foram abençoadas.

Um dos exemplos clássicos foi o rei Ezequias. Quando soube que estava doente ele imediatamente orou. Em Isaías 38.2 diz que “Ezequias virou o rosto para a parede e orou ao Senhor.”  O resultado de sua oração foi que o Senhor não somente o ouviu, mas o curou.

Um dos nossos problemas é que diante das dores e dificuldades nós não consideramos a oração como prioridade. Ao invés de confiarmos em Deus, buscamos nossas próprias soluções, duvidamos dEle e reclamamos da vida.

A razão porque devemos orar é porque Jesus orou. Não houve um tempo em que Jesus não orou. Ele sempre estava com o Pai, ora adorando, ora agradecendo, ora pedindo pelos outros, ora pedindo por si mesmo. Em seu último suspirou Ele orou: “Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito.” (Lucas 23:46). Jesus viveu orando.

Talvez hoje você esteja lidando com problemas que literalmente chegaram ao limite. O seu estresse e esgotamento estão num nível altíssimo. Sua impaciência é percebida por todos ao seu redor. Pergunto: Você já considerou parar e orar? Considerou colocar para Deus tudo o que está em seu coração? Considerou pedir para alguém orar por você e com você?

Talvez você possa começar sua oração pedindo perdão a Deus por fazer da oração o seu último recurso, enquanto ora e pede Sua ajuda para você fazer da oração uma prioridade em sua vida.

Desenvolva o hábito de orar em todos os momentos e circunstâncias da sua vida.

Considere orar.

AS PORTAS E OS CAMINHOS

Jesus afirmou em Mateus 7.13,14: “Entrai pela porta estreita (larga é a porta, e espaçoso, o caminho que conduz para a perdição, e são muitos os que entram por ela), porque estreita é a porta, e apertado, o caminho que conduz para a vida, e são poucos os que acertam com ela.”

Jesus antes de concluir o Seu “Sermão do Monte” exige uma decisão de seus ouvintes. Ele apresenta duas portas com dois caminhos:

A primeira é a “porta estreita”. Essa é a porta onde o caminho é difícil, cheio de limites demarcados por Deus segundo a Sua Palavra. Um caminho onde há um “jugo suave” e um “fardo leve”; onde há lutas e provações; onde os pensamentos e vontades são centrados em Deus. Esse é o caminho que conduz à vida e poucos decidem por ele.

A segunda porta é a “porta larga”. Essa é a porta da facilidade, do caminho fácil, espaçoso, confortável, de frouxidão moral, de opiniões diversas, tolerante, permissivo, sem freios no pensamento e na conduta, onde se persegue as próprias inclinações. Esse é um caminho superficial, egoísta, hipócrita, ambicioso, de religião ritualista, em que nada precisa ser aprendido, tudo é natural, largo e “free”. Um caminho que conduz a perdição e a maioria entra por ele.

Ninguém está neutro nessa escolha. Se você escolher o caminho largo, você decide continuar dirigindo sua vida, mantendo-se na justiça própria, no orgulho e na religiosidade vazia. Se você escolher o caminho estreito, você decide arrepender-se de seus pecados, abandonar sua forma de viver e seguir a Jesus.

Não se ressinta! Não decidir pela porta e o caminho estreito que conduz à vida, é continuar na porta e no caminho largo que o levará a perdição.

O que você vai decidir?

OS COMPASSIVOS

Vivemos numa sociedade violenta. Matar e morrer estão se tornando algo normal. O desrespeito e o desafeto estão em níveis intoleráveis. O egoísmo está em alta e a compaixão em baixa. Não ser compassivo é uma realidade atual, especialmente porque as pessoas estão centradas demais em si mesmas.

O que significa ser compassivo? Significa ver, sentir e perceber a dura realidade do outro. Significa ser um com eles em seus sentimentos, dores, alegrias e expectativas. Significa fazer algo prático para trazer alívio e solução.

Ser compassivo é um claro ensino bíblico. Em Zacarias 7.9 somos exortados: “Assim diz o Senhor dos Exércitos: Administrem a verdadeira justiça, mostrem misericórdia e compaixão uns para com os outros.”

Uma das razões por não sermos compassivos é porque por vezes nos falta uma clara visão de quem Deus é. O Salmo 103.13 afirma: “Como um pai tem compaixão de seus filhos, assim o Senhor tem compaixão dos que o temem.”

Jesus foi sempre compassivo porque Ele não só via as necessidades dos outros, mas se dispunha a fazer algo. Em Marcos 6.34, lemos: “Ao desembarcar, viu Jesus uma grande multidão e compadeceu-se deles, porque eram como ovelhas que não têm pastor. E passou a ensinar-lhes muitas coisas.” Jesus é o único que pode dizer precisamente para cada pessoa em sofrimento: “Sinto sua dor.”

Se você realmente quer ser usado por Deus, seja mais compassivo. Pare de se esforçar em fazer as coisas para Ele com um senso de obrigação e dever e busque apenas ver as pessoas como Ele as vê. Procure sentir o que elas sentem. Faça algo prático para ajudar, sem olhar a cultura, a cor da pele, o estado civil, social, físico, emocional e espiritual das pessoas.

Somente os compassivos entendem o que Deus sente.

COMO CRIANÇA

Em Mateus 18.1 Jesus foi questionado por seus discípulos: “Quem é, porventura, o maior no reino dos céus?” Nos versículos 1,2 o texto segue dizendo: “E Jesus, chamando uma criança, colocou-a no meio deles. E disse: Em verdade vos digo que, se não vos converterdes e não vos tornardes como crianças, de modo algum entrareis no reino dos céus.”

O Senhor Jesus sabendo da imaturidade de seus discípulos e suas disputas entre si, recorre a uma criança para ilustrar vividamente quem é o maior no reino dos céus.

Quais são as qualidades de uma criança que nos ensina sobre a realidade do reino dos céus?

Em primeiro lugar as crianças são simples e sem complexidade. Deus espera que abandemos nossa sofisticação e nos cheguemos a Ele com um coração simples, alegre e contente com a respostas que Ele nos dá. Ele espera que abandonemos nosso orgulho de querer todas as respostas antes de crer.

Em segundo lugar as crianças não são ambiciosas. Elas estão contentes com o que tem e com as oportunidades que desfrutam. Deus espera que abandonemos a tentativa constante de termos uma identidade definida no que temos e nos tornamos. Ele deseja que paremos de usá-Lo; que paremos de busca-Lo apenas para receber uma benção e segurança nesse mundo.

Em terceiro lugar a criança confia. Ela acredita no adulto e na segurança que ele representa. Deus espera que abandonemos nossa auto segurança; que confiemos plenamente nEle quando as coisas estão boas ou ruins. Ele espera que tenhamos nEle nossa única esperança e que jamais O julguemos pelas circunstâncias da vida.

Para que você tenha uma experiência espiritual real, plena e significativa com Deus é necessário que você se torne espiritualmente como uma criança, porque nos reino dos céus não há espaço para adultos.

Você se tornará como criança?