ESCOLHAS

ESCOLHAS

Comumente temos a tendência de escolher errado. Escolhemos errado e desalinhamos dos propósitos de Deus. E não é atoa que a vida de muita gente anda “capengando”. Tudo porque se corremos atrás de coisas que não tem valor eterno, nos prejudicam e machucam outros.

Em Jesus vemos a face de Deus e o padrão de Deus para o ser humano. Queremos glória, mas Ele escolheu se humilhar; queremos ser “Deus”, Ele escolheu ser homem; queremos o prazer egoísta, Ele escolheu o sofrimento; queremos o poder, Ele escolheu servir; queremos o controle, Ele escolheu a entrega. Jesus fez escolhas diferentes das nossas.

O que estamos escolhendo?

Paulo em Filipenses 3.7 fez uma escolha. Ele diz: “Mas o que, para mim, era lucro, isto considerei perda por causa de Cristo.” Havia muito lucro em sua religiosidade, capacidade e oportunidades. Mas ele disse: “não” por causa de Jesus. Ele fez uma escolha.

Na verdade nossas escolhas revelam nossos valores e moldam nosso caráter. Nossas escolhas mostram o quanto Deus e seus princípios são realmente importantes para nós ou não. A beleza das roupas, das palavras, da postura, do conhecimento, é nada diante de Deus, quando Ele próprio não é a escolha e o valor supremo de nossas vidas.

Por isso, escolha suas escolhas pelo padrão de Deus. Pode ser difícil, duro e até inadequado para sociedade, para família, para os amigos, para muita gente, mas o importante é fazer escolhas que agradem a Deus.

Andar com uma consciência limpa e fazer o que é certo, é um descanso para a alma. E quem faz escolhas certas, acertam na vida.

Lembre-se: escolhas bem feitas não tem preço.

Anúncios

ENTREGANDO O CORAÇÃO

ENTREGANDO O CORAÇÃO

A quem você dará seu coração? Salomão escreveu em Provérbios 23.26:“Filho meu, dá-me o teu coração…” Quem é digno de receber o seu coração? Quem cuidará dele?

Em João 4, a mulher samaritana entregou seu coração a relacionamentos passageiros no afã de resolver seu problema de intimidade, segurança e amor. Vivia de “mão em mão”. Estava desiludida e perdida. Sua alma tinha sede de algo diferente e permanente. Jesus lhe ofereceu a água espiritual; um relacionamento eterno e duradouro. Ele afirma em João 4.13-14: “… aquele que beber da água que eu lhe der nunca terá sede; pelo contrário, a água que eu lhe der se fará nele uma fonte de água que jorre para a vida eterna.”

Em Mateus 19, o jovem rico entregou seu coração às riquezas. Desejava a vida eterna, mas também os bens terrenos. Sua religiosidade era limitada; seu coração pertencia as riquezas. Ele era um idólatra. Ao ouvir de Jesus que deveria vender tudo o que tinha e doá-los aos pobres, entristeceu-se e “…e retirou-se triste, por ser dono de muitas propriedades…” (Mateus 19.22). Aquele jovem não tinha um coração aberto para fazer de Deus sua principal prioridade. Enquanto possuía as riquezas, as riquezas o possuíam.

Em Lucas 7, uma mulher pecadora se derrama aos pés de Jesus. Enquanto chora, ela derrama seu passado, seu orgulho, seus falsos prazeres, seus pecados, e sua necessidade de mudança. E ao vir a Jesus, ela encontra a vida. Dos lábios do Salvador ela ouve palavras de consolo, esperança e vida. Jesus afirma: “…A tua fé te salvou; vai-te em paz.” (Lucas 7.50).

Como a mulher samaritana, não entregue seu coração aos prazeres. Eles não são dignos de receber sua energia, força e vigor. O suposto doce do prazer de hoje pode ser o amargo de amanhã.

Como o jovem rico, não entregue seu coração as riquezas e nem aos bens materiais. Tudo o que é material ficará aqui nesse mundo. Os verdadeiros tesouros são de origem espiritual e eterno.

Como a ex-mulher pecadora que entregou o seu coração a Jesus, faça o mesmo. Jogue-se aos Seus pés; entregue-se a Ele; venha como está; diga palavras de arrependimento; peça o Seu perdão. Deixe Ele cuidar de você; deixe que a verdade do do Salmo 51.17 seja uma realidade em sua vida: “O sacrifício aceitável a Deus é o espírito quebrantado; ao coração quebrantado e contrito não desprezarás, ó Deus.”

UM CASAMENTO SAUDÁVEL

UM CASAMENTO SAUDÁVEL

Em uma pesquisa feita com cerca de 3000 casais, uma só pergunta foi feita: “o que você considera como sendo os fatores essenciais para um casamento saudável e duradouro?” A cinco principais respostas foram: compromisso um com o outro; uma comunicação eficaz; tempo significativo, capacidade de enfrentar juntos as lutas do dia a dia e colocar Deus como prioridade.

A saúde do casamento, sem dúvida depende dos cônjuge assumirem compromisso um com o outro, independente das circunstâncias; depende de manter um canal de conversa aberta para falar e ouvir; depende de tempo significativo para desenvolver intimidade e companheirismo; depende de manter-se juntos diante dos próprios problemas conjugais, familiares e etc. Mas acima de tudo, depende de Deus. O Seus princípios precisam nortear o casamento.

Deus precisa estar no centro do casamento porque Ele o criou. Em Gênesis 1.27,28 lemos: “Criou Deus, pois, o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou, homem e mulher os criou.” O casamento não surgiu do “homem da caverna” e muito menos do desenvolvimento social. O casamento tem sua origem em Deus. Ele o fez e o abençoou.

Ao criar o casamento, Deus diz em Gênesis 2.18: “Não é bom que o homem esteja só”. Isso significa que o casamento resolve o problema da solidão das pessoas, enquanto proporcia oportunidade para estar juntos, conversar juntos, decidir juntos e compartilhar a vida.

É certo de que nem todos os casamentos estão vivendo de forma saudável. Há muitos casamentos doentes. Há casamentos doentes por causa do egoísmo. Cônjuges buscam o “meu” ao invés do “nosso”. E há casamentos doentes por causa do orgulho. Cônjuges que se negam a dizer que errou, pedir perdão e perdoar. Sem dúvida, não há casamento que resista ao egoísmo e ao orgulho.

Se seu casamento falta compromisso, comunicação, tempo junto e capacidade para enfrentar os problemas, o certo mesmo, é que antes de tudo você precisa certificar se Deus está nele. Porque um casamento saudável precisa depender de Deus. Jesus disse em João 15.5: “…sem mim, nada podeis fazer.”

Um casamento saudável começa com Deus e mantém-se em Deus.

LEMBREMOS DE DEUS

LEMBREMOS DE DEUS

Alguém disse: “Não existe memória ruim, só mal treinada.” A ciência descobriu que todo mundo pode ser mestre de sua memória. As memórias são formadas por conexões temporárias, ou permanentes, entre os neurônios. Lembretes e associações ajudam a memória porque somos tendentes a esquecer.

Depois de uma experiência de 40 anos vendo a ação de Deus no deserto, o povo de Israel estava para entrar na terra de Canaã. Moisés, preocupado que o povo não esquecesse os princípios de Deus, afirmou o seguinte em Deteuronômio 4.9: Tão-somente guarda-te a ti mesmo e guarda bem a tua alma, que te não esqueças daquelas coisas que os teus olhos têm visto, e se não apartem do teu coração todos os dias da tua vida, e as farás saber a teus filhos e aos filhos de teus filhos.”

Deus ordena assim, porque sabe somos tendentes a nos esquecer dEle. E para isso não ocorra, Ele nos chama a exercitar nossas mentes usando diversos tipos de lembretes. Por vezes Ele usa meios para alertar a nossa memória diante de algum acontecimento.

Deus o sofrimento para nos lembramos dEle. O salmista afirma no Salmo 119.67: “Antes de ser castigado, eu andava desviado, mas agora obedeço à tua palavra”

O profeta Jonas quando sentiu que iria morrer. E percebendo sua desobediência e decidindo aceitar o comissionamento de ir a Nínive, ao fazer isso, lembrou-se do Senhor e orou dizendo: “Quando, dentro de mim, desfalecia a minha alma, eu me lembrei do SENHOR; e subiu a ti a minha oração… (Jonas 2.6)

Pedro, que disse que nunca negaria ao SENHOR, foi lembrado de seu pecado através do canto do galo. Após ouvi-lo, saiu e chorou amargamente. Sem dúvida Pedro confessou a Deus sua infidelidade e tornou-se depois desse episódio um outro homem.

Precisamos nos lembrar de Deus. Precisamos considerar o que Ele está fazendo em nossas vidas. Precisamos ser grato a Ele por sua ação em nosso dia a dia. O Salmista afirmou no Salmo 143.5: Lembro-me dos dias de outrora, penso em todos os teus feitos e considero nas obras das tuas mãos.”

Por isso, avalie hoje seu relacionamento com Deus. Pergunte a si mesmo: Estou me esquecendo de Deus? Alguém disse com muito sabedoria: “Deus usará o que for preciso para que nos lembremos dele.”

Faça constantemente um bom uso de sua memória: lembre-se de Deus!

DIANTE DO MEDO

DIANTE DO MEDO…

O medo é uma sensação de ameaça psicológica que se manifesta num estado de apreensão, de atenção ou de perigo real ou imaginário, presumindo que algo ruim vá acontecer.

Há pessoas que tem medo de voar, falar em público, dirigir, dentista, palhaço, doar sangue, escuro, altura, barata, cobra, assalto, mudanças, sequestro, ficar sozinho, perder o emprego, ir a um funeral, morrer etc. A lista de medos são imensas.

A Bíblia nos ensina a lidar com medo. Davi, por exemplo, em um período de sua vida havia fugido de Saul para a terra dos filisteus. Chegando ali, ele encontrou-se com Aquis, o rei filisteu, e ficou com muito medo de morrer. Medo porque ele havia matado o mais famoso dos filisteus: Golias. E nesse momento ele orou e registrou sua experiência com Deus no Salmo 34. Ele afirma no Salmo 34.4: “Busquei o SENHOR, e ele me acolheu; livrou-me de todos os meus temores.”

Davi ensina que a resposta para os medos não está em olhar para dentro de si, nem olhar para fora de si, mas olhar para acima de si. Em Deus está a resposta para qualquer temor que ronda a alma. Em Isaías 41.10 Deus fala ao profeta dizendo: “não temas, porque eu sou contigo; não te assombres, porque eu sou teu Deus; eu te fortaleço, e te ajudo, e te sustento com a destra da minha justiça”.

O segredo para superar qualquer medo é a confiança total e completa em Deus. O salmista afirma Salmo 56.11: “ Em Deus ponho a minha confiança, e não terei medo; que me pode fazer o homem?” O pregador inglês, Charles Spurgeon disse: “Mantenha seus olhos simplesmente nEle…quando você acordar olhe para Ele; quando você se deitar olhe para Ele…siga-O! Ele nunca te deixará!”

Confiar em Deus é uma recusa pela fé de se entregar ao medo. Harry Fosdick afirmou: “ O medo aprisiona, a fé liberta; o medo paralisa, a fé fortalece; o medo desanima, a fé encoraja; o medo adoece, a fé cura; o medo torna inútil, a fé torna utilizável.”

Max Lucado apresenta um conselho simples e prático para lidar com o medo: “A presença do medo não significa que você não tem fé. O medo visita a todos. Mas faça do seu medo um visitante e não um residente.”

Assim, se o medo lhe bater a porta, peça a fé para atender.

QUANDO TUDO ESTIVER DANDO ERRADO

QUANDO TUDO ESTIVER DANDO ERRADO

Há certas pessoas que se dedicam, empenham e lutam por uma ideia ou oportunidade. Elas querem conquistar algo que aparentemente percebem ser bom e vantajoso.

A Bíblia em Números 22 a 24 conta-nos a história interessante de um homem chamado Balaão. Um rei ofereceu a ele uma oportunidade com grande vantagem financeira.

Antes de sair, Balaão perguntou a Deus se lhe era permitido ir. Deus disse: “não”! Os representantes voltaram a rei, e esse lhes enviou com uma proposta muito melhor. Balaão pensando que Deus havia mudado de ideia perguntou novamente sobre a oportunidade. E Deus permitiu que ele fosse, mas debaixo de rígidas condições.

Deus sabia muito bem o que se passava no coração de Balãao. Ele não estava feliz com a atitude dele. E por isso o Senhor lhe enviou um anjo. Balaão em tempo nenhum viu o anjo em seu caminho, mas a jumenta em que ele estava montado, viu o anjo.

Ao ver o anjo, em um determinado tempo, a jumenta “empacou”. Ela se recusou a continuar. Balaão ficou muito irritado e começou a espanca-la brutalmente. Enquanto fazia isso algo aconteceu. É nos relatado assim em Números 22.31: “Então o Senhor abriu os olhos a Balaão, ele viu o Anjo do Senhor, que estava no caminho…”

A história de Balaão nos ensina vários princípios:

O primeiro deles é que precisamos aprender a sondar os reais motivos pelos quais fazemos o que fazemos e queremos o que queremos. A verdade é que nem sempre nossas intenções são puras. Balaão queria mesmo era dinheiro; queria ficar rico com uma “oportunidade espiritual”.

O segundo é que muitas vezes nós achamos que uma tal oportunidade é de “ouro”; não podemos perder de jeito nenhum; é daquelas que chegam uma em mil. Mas na verdade são oportunidades que não glorificam a Deus; não honram o Seu nome; nos levam para longe dEle; nos faz pecar contra Ele.

O terceiro princípio é que Deus em sua graça, procurando nos proteger, põem obstáculos em nossa frente. São pessoas que “barram”; são leis que “emperram”; são trânsitos caóticos; são voos perdidos; são atrasos injustificáveis. E por vezes, porque queremos muito a oportunidade, interpretamos que é Satanás que está tentando nos parar, quando na verdade é o próprio Deus que está tentando nos proteger.

Quando tudo estiver dando errado em sua vida é preciso parar e dizer a Deus: “Senhor, abra os meus olhos. Senhor, tudo Teu é perfeito…ajuda-me a ver o meu coração; livra-me de mim mesmo.”

HÁ DIAS

HÁ DIAS…

Há dias em que um sentimento de perda e confusão invadem a alma. Parece que nunca se acha um caminho; parece que as luzes foram apagadas, e o pior, não se consegue achar o interruptor. Mas para esses dias escuros a doce voz de Jesus se faz ouvir em João 8.12: “Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará nas trevas; pelo contrário, terá a luz da vida.”

Há dias também em que o sentimento é como se a vida estivesse trancada. As portas não se abrem; nada se encaixa; tudo é muito difícil. A vida parece estar travada. Mas para esses dias a doce voz de Jesus se faz ouvir em João 10.9: “Eu sou a porta. Se alguém entrar por mim, será salvo; entrará, e sairá, e achará pastagem.”

Há dias que a decepção com pessoas é grande. Os relacionamentos parecem superficiais. Parece que todos chegam para tirar vantagem. Gente que poderia dar um norte, um alívio, se torna antes um usurpador, um inimigo. Mas para esses dias de traição a doce voz de Jesus se faz ouvir em João 10.11,14: “Eu sou o bom pastor. O bom pastor dá a vida pelas ovelhas… Eu sou o bom pastor; conheço as minhas ovelhas, e elas conhecem a mim.”

Há dias também em que viver a vida parece mais um fardo que um prazer. As duvidas sobem por todos os lados e o desânimo vence de uma forma que o melhor a fazer é virar para o outro lado da cama e não se mexer um centímetro. Mas para esses dias a doce voz de Jesus também se faz ouvir João 15.5: “Eu sou a videira, vós, os ramos. Quem permanece em mim, e eu, nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer.”

Há dias em que a morte parece rondar. Uma doença avança com tanta força que espreme a vida. Alguém querido se vai e nem se deu tempo de bater o último papo ou dizer um “adeus”. Mas para esses dias de luto e dor a doce voz de Jesus se faz ouvir em João 11.25-26: “Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá; e todo o que vive e crê em mim não morrerá, eternamente.”

Há dias também em que a fé parece ser moeda de troca e as perguntas surgem: Qual é o caminho? Onde está a verdade? O que me pode trazer vida? Mas para esses dias a doce voz de Jesus também se faz ouvir em João 14.6: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai senão por mim.”

Independente de como andam seus dias, eles podem ser totalmente diferentes se você permitir que Jesus faça parte deles. Ele é tudo o que você está buscando; Ele é tudo o que você precisa.