A “JUSTIÇA”

Em Mateus 5.20 Jesus afirmou: “Porque vos digo que, se a vossa justiça não exceder em muito a dos escribas e fariseus, jamais entrareis no Reino dos céus.”

Essa afirmação de Jesus choca seus ouvintes, porque o problema dos escribas e fariseus é que eles contentavam-se com uma obediência externa. Mas o Senhor Jesus ensina que as exigências de Deus são muito mais radicais do que apenas práticas religiosas externas.

A “justiça” que agrada a Deus tem uma só origem: o coração. Em 1 Samuel 16.7 o próprio Deus afirma: “…O Senhor não vê como o homem: o homem vê a aparência, mas o Senhor vê o coração.” Ele conhece o coração de todos. Ele sabe o que se passa por dentro de cada um, sem exceção. E o verdadeiro relacionamento com Ele vem do coração.

A “justiça” que excede a religiosidade vazia é antes de tudo uma obra espiritual produzida pelo Espírito de Deus e Ele age nas pessoas dando-lhes as condições para que obedeçam, observem e guardem tudo o que Deus ordena.

Essa “justiça” também é chamada na Bíblia de “Novo Nascimento”; o “nascer do alto”; o “nascer do Espírito”. É nesse mover do Espírito no coração que produz a “justiça” que Deus quer e faz com que a pessoa tome posse do “Reino dos céus”.

Deus está interessado em ver em você uma obediência genuína e não uma religiosidade cheia de “justiça” própria. Deus deseja que suas ações sejam uma resposta a tudo o que Ele significa em sua vida. Deus quer que acima de tudo você O obedeça e sintonize o seu coração com Sua plena vontade.

Oswald Chambers afirmou: “A regra de ouro para o entendimento em assuntos espirituais não é intelecto, mas a obediência.”