DUAS BOAS ORAÇÕES

DUAS BOAS ORAÇÕES…

Salomão foi o homem mais poderoso, rico e sábio de sua época. Ele construiu a primeira edição do Templo de Jerusalém, considerada uma das sete maravilhas do mundo antigo.

Quanto mais os anos chegavam, Salomão teve o cuidado de meditar sobre como desfrutar melhor a vida. Ele descobriu duas formas simples: primeiro, focar em Deus e obedecer suas verdades. Segundo, envidar todos os esforços para alcançar a sabedoria. Tudo isso ele deixou registrado nos livros bíblicos de Provérbios e Eclesiastes.

Quando sua velhice chegou, Salomão fez uma pequena oração registrada em
Provérbios 30.8-9, que diz: “Mantém longe de mim a falsidade e a mentira; não me dês nem pobreza nem riqueza; dá-me apenas o alimento necessário. Se não, tendo demais, eu te negaria e te deixaria, e diria: ‘Quem é o Senhor?’ Se eu ficasse pobre, poderia vir a roubar, desonrando assim o nome do meu Deus.”

Duas simples verdades se encontram nessa oração. A primeira nos ensina que a intensidade da vida passa por dizer e viver a verdade. A verdade precisa ser vivida e dita, ainda que doe. Os falsos e mentirosos sempre tropeçarão na história da vida.

A segunda oração diz sobre bens, recursos e dinheiro. Sabemos pelo ensino bíblico que recursos demais e recursos de menos afetam a vida. Daí a oração de Salomão que inclui o suprimento para a vida vindo das mãos do Senhor. Devemos orar para que no meio da crise ou da abundância nada nos tire de dEle.

A verdade é que quando Deus é o centro de sua vida você sempre desejará amar o que Ele ama, desejar o que Ele deseja e confiará que Ele dará a provisão de tudo a seu tempo.

Faça essas duas orações. Caminhe sempre pela luz da verdade e por uma vida de contentamento. Quem ora e vive assim, se livrará da hipocrisia e da cobiça, que tanto tem destruído vidas e relacionamentos.

Um comentário em “DUAS BOAS ORAÇÕES

  1. Vivemos num mundo muito influenciado pela ganância. Nada nos basta, não queremos limites no universo de nossas conquistas. Por isso sofremos.

    É tempo sim e já até passado, de voltarmos a oração, a busca do “melhor de Deus”, que sempre será traduzido pela sua soberana vontade. Nem tanto ao mar, nem tanto a terra, como disse Salomão, há sim uma medida certa, terapêutica, isso para tudo na vida, más principalmente para os bens materiais. Devemos procurar ser abundantes, no nosso relacionamento com o Senhor Jesus.

    Forte abraço Pastor Roberto, Shalom.

Os comentários estão fechados.