AGINDO COM BONDADE

AGINDO COM BONDADE

Relacionamentos são edificados por meio de pessoas que decidem ser bondosas. Paulo afirmou em 1 Coríntios 13.4: “O amor… é benigno…”. “Benigno” no texto literalmente significa “ser gentil”; “ser bom”; “usar de bondade”.

A Bíblia nos ensina que devemos agir com bondade para com as pessoas, conhecendo-as ou não. Em Deuteronômio 24.17 somos exortados que devemos ser bons para com os imigrantes, os órfãos e as viúvas. O texto diz: “Não perverterás o direito do estrangeiro e do órfão; nem tomarás em penhor a roupa da viúva.” No Salmo 82.3 lemos: “Fazei justiça ao fraco e ao órfão, procedei retamente para com o aflito e o desamparado.” E mais, em Tiago 1.27 somos ensinados que “a religião pura e sem mácula, para com o nosso Deus e Pai, é esta: visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações e a si mesmo guardar-se incontaminado do mundo.” E acima de tudo a “bondade” é uma característica do próprio Deus. O Salmo 17.6,7 afirma: “Eu te invoco, ó Deus, pois tu me respondes; inclina-me os ouvidos e acode às minhas palavras. Mostra as maravilhas da tua bondade, ó Salvador dos que à tua destra buscam refúgio dos que se levantam contra eles.”

A verdade é que podemos saber excelentes textos bíblicos sobre a bondade e ainda assim mesmo não o sermos. Ser bom não é uma questão de saber, mas de viver.

Agir com bondade significa não ficar questionando o óbvio. Em Lucas 10.29 o doutor da lei, depois de ouvir sobre o ensino de Jesus sobre amar o próximo, para se justificar, perguntou para Ele o seguinte:
“Quem é o meu próximo?” Ele sabia quem era o seu próximo, mas sua pergunta era apenas para se justificar. Daí tiramos o princípio que não se pode ficar questionando o óbvio. Se você sabe que deve fazer algo de bom para alguém, faça-o! Há hoje e agora grandes oportunidades para demonstrar bondade para pessoas a seu redor.

Agir com bondade significa também uma ação prática. Bondade não é aparência demonstrada no rosto e nem uma atitude reflexiva ou meditativa. Não! Bondade é algo prático; é dar dinheiro para quem está precisando; é dar uma carona para quem está a pé; é emprestar um bem material que não se está usando para alguém que precisa; é usar uma capacidade manual para quem dela necessita, etc. Bondade tem que ser algo prático.

E por último, agir com bondade exige o desenvolvimento de um coração compassivo; um coração que sente a dor do outro e a necessidade do outro. Pessoas compassivas naturalmente são bondosas porque ao ver a necessidade são impelidas a fazer alguma coisa.

Portanto, lembre-se da ordem de Paulo em Efésios 4.32: “…sede uns para com os outros benignos…” pois fazendo assim seus relacionamentos serão melhores.

Aja com bondade!