QUEM CRÊ, AMA. QUEM AMA, CRÊ.

QUEM CRÊ, AMA. QUEM AMA, CRÊ.

Em 1 João 3.17 lemos: “Ora, aquele que possuir recursos deste mundo, e vir a seu irmão padecer necessidade, e fechar-lhe o seu coração, como pode permanecer nele o amor de Deus?”

O amor precisa se revelado em ações objetivas, práticas e concretas. Os que fazem algo em favor das necessidades das pessoas revelam para elas mesmas, para outros e para Deus que “permanecem…no amor de Deus.”

Amar pessoas significa “fechar o coração.” “Fechar o coração” significa não manter um “jogo de empurra” simplesmente para se livrar do problema. Não diga: “isso não é comigo”. Não filosofe: “muita gente está passando dificuldade nesse mundo”. Não fuja da responsabilidade: “o governo, a sociedade, a igreja, a instituição ‘tal’ deveria fazer alguma coisa.” Antes, assuma a responsabilidade e faça algo!

Se você não consegue repartir seu pão, sua roupa, seu dinheiro, sua influência, seu poder e suas habilidades, não é que tipo de cristão você é, mas que tipo de ser humano que você demonstra?

É importante lembrar que sempre é mais fácil estar engajado na luta e na causa pelos problemas da humanidade do que amar o ser humano mais próximo; aqueles com com quem nos esbarramos todos os dias: pais, filhos, amigos, parentes etc.

Qualquer um pode se auto-avaliar se realmente crê em Deus e experimentou a nova vida que Jesus oferece, pelo simples fato de estar dominado e dirigido pelo AMOR.

AMAR exige sacrifício, entrega, abnegação, altruísmo, envolvimento, doação e ações que possam melhorar, ajudar e fazer crescer o outro, sem tirar um nada de proveito pessoal.

A melhor tradução de uma fé genuína em Jesus Cristo é amar a Deus, com um coração obediente e submisso e amar as pessoas. Quando isso é feito, a fé revela-se pelo amor e o amor autentica a fé.

Assim, quem crê, ama e quem ama, crê. É isso que Deus quer. É isso que precisa ser vivenciado.

Um comentário em “QUEM CRÊ, AMA. QUEM AMA, CRÊ.

  1. Em João 3:16, fica muito claro que amar é muito mais que gostar. Gostar é sim, um sentimento egoísta, de conveniência, más amar, é um verbo que sugere atitude sacrificial, não uma ação que visa retorno na mesma magnitude, intensidade e direção. Hoje, não raramente as pessoas, “investem” em relacionamentos friamente, já projetando o que terão de retorno. Perdemos e nos perdemos confusos, com tanta inversão de valores pregados pela sociedade, ímpia e individualista que vivemos.

    Bom momento Pastor Roberto, para nos avaliarmos e retornarmos ao eixo da palavra que exibe em Deus, através de SEU FILHO, JESUS CRISTO, O VERDADEIRO AMOR, A PONTO DE SACRIFICA-LO PARA QUE TIVÉSSEMOS A SALVAÇÃO E A VIDA ETERNA.

    Com meu forte e saudosíssimo abraço, Shalom.

Os comentários estão fechados.