OS BONS SAMARITANOS

OS BONS SAMARITANOS

Em Lucas 10.25-37 lemos o seguinte episódio no ministério do Senhor Jesus: “Certa ocasião, um perito na lei levantou-se para pôr Jesus à prova e lhe perguntou: “Mestre, o que preciso fazer para herdar a vida eterna?” “O que está escrito na Lei?”, respondeu Jesus. “Como você a lê?” Ele respondeu: “ ‘Ame o Senhor, o seu Deus, de todo o seu coração, de toda a sua alma, de todas as suas forças e de todo o seu entendimento’ e ‘Ame o seu próximo como a si mesmo’. ” Disse Jesus: “Você respondeu corretamente. Faça isso e viverá”. Mas ele, querendo justificar-se, perguntou a Jesus: “E quem é o meu próximo?” Em resposta, disse Jesus: “Um homem descia de Jerusalém para Jericó, quando caiu nas mãos de assaltantes. Estes lhe tiraram as roupas, espancaram-no e se foram, deixando-o quase morto. Aconteceu estar descendo pela mesma estrada um sacerdote. Quando viu o homem, passou pelo outro lado. E assim também um levita; quando chegou ao lugar e o viu, passou pelo outro lado. Mas um samaritano, estando de viagem, chegou onde se encontrava o homem e, quando o viu, teve piedade dele. Aproximou-se, enfaixou-lhe as feridas, derramando nelas vinho e óleo. Depois colocou-o sobre o seu próprio animal, levou-o para uma hospedaria e cuidou dele. No dia seguinte, deu dois denários ao hospedeiro e lhe disse: ‘Cuide dele. Quando eu voltar pagarei todas as despesas que você tiver’. “Qual destes três você acha que foi o próximo do homem que caiu nas mãos dos assaltantes?” “Aquele que teve misericórdia dele”, respondeu o perito na lei. Jesus lhe disse: “Vá e faça o mesmo”.”

O bom samaritano é o centro dessa parábola. Ao ver o homem caído ele teve compaixão (v.33); ele foi até ele e cuidou (vs.34); ele se importunou a ponto de fazer despesas e assumir riscos (v.35). Ele age de forma muito diferente do que o sacerdote e o levita, os quais juntos, em sua religiosidade, não se envolveram e não conseguiram fazer nada.

A história do “Bom Samaritano” é mais do que uma história bíblica; é uma metáfora que ensina que devemos parar nossas vidas para ajudar alguém que esteja sofrendo. 

Na vida quanto mais nos aproximamos de pessoas, mais oportunidades teremos e mais responsabilidades com elas assumimos. Precisamos fazer sempre uma pergunta chave: “quem é o meu próximo?”

Assim os ‘bons samaritanos” são aqueles que se envolvem, se aproximam e se tornam responsáveis de forma prática, objetiva, generosa e sacrificial em ajuda ao outro. 

É aquele que oferece uma carona, que envia comida e suprimentos quando alguém da família está no hospital, alguém que dispõe a arrumar a casa, cuidar das crianças, lavar a roupa, pagar uma conta etc. Os “bons samaritanos” são aqueles que estão alertas as necessidades e buscam ajudar.

Se sua “religiosidade” é apenas de ordem conceitual e não prática, ela apenas lhe tornará alguém mais pNy orgulhoso e cheio de auto-justiça. E o mundo não precisa de mais de gente inteligente e sábia; de mais comitês para isso e para aquilo . O mundo precisa de gente que faça o óbvio; gente que saia da zona de conforto para sacrificialmente ajudar aos que estão em necessidade. 

Pense nisso!