DIANTE DA FRAQUEZA

DIANTE DA FRAQUEZA

Somos fracos e limitados. O discurso diário: “seja forte”, “não chore”, “enfrente”, “vá adiante”, “você pode” é algo muito vazio e revela por vezes um positivismo sem efeito, especialmente diante de uma simples gripe quando ronda o medo de um possível diagnóstico de H1N1. Na verdade somos mais fracos do que pensamos.

Somos fracos e vulneráveis. Mentimos para nós mesmos que somos fortes. Ser forte significa que não precisamos de ajuda, de auxílio ou de conselhos. Ser forte é uma fútil negação da realidade e uma péssima decisão em viver na hipocrisia e no auto engano da “força”.

O salmista não fingiu e não fugiu de sua fraqueza. Ele busca a Deus em oração. Ele assim orou no Salmos 130.1: “Das profundezas clamo a ti, SENHOR.” Ele não teve medo de dizer a Deus que sentia-se no buraco. Ele não se sentia envergonhado de dizer que era totalmente dependente de Deus.

Na Bíblia, a prosperidade humana começa no reconhecimento de que se precisa urgentemente de Deus. Os que se sentem fracos, sem orientação, auxílio, ajuda e apoio, mas achegam-se a Deus, dEle receberão forças.

O livro dos Salmos é basicamente um canto contínuo dos fracos exaltando o Deus Todo Poderoso. Por meio dele aprendemos o poder e a importância da dependência, da oração, da comunhão e da conversa íntima com Deus. Os Salmos nos ensina a expor todas as nossas dores, lutas e fraquezas a Deus.

Deus sabe nos trazer a Ele. Ele sabe nos atrair a Ele e nos fazer ver nossas fraquezas. Na verdade, Deus nos permite ir “as profundezas” da vida. As mesmas “profundezas” onde estiveram o salmista, o profeta Jonas (Jn 2), o apóstolo Paulo (2 Co 12) e muitos outros personagens bíblicos. Deus sabe deflagrar nossa fraqueza para que abracemos Sua força.

Deus nunca é o Deus dos fortes, Ele O é dos fracos. É no reconhecimento da fraqueza que experimentamos a ação poderosa de Deus. Ele sempre se manifestará em pronta ajuda aos que lhe buscam; os que se alegram em depender dEle e só dEle.

O teólogo A.W.Pink sabiamente afirmou: “ Antes de Deus fornecer uma abundante oferta, é preciso primeiro nos tornarmos conscientes de nosso vazio. Antes que Ele dê a força, Ele nos leva a ver nossa fraqueza.”

Há um grande paradoxo na ótica divina: os fortes sem Deus, são fracos; os fracos com Deus, são fortes.